Províncias

Preservação do acervo preocupa Museu da Huíla

Arão Martins | Lubango

O Museu Regional da Huíla desenvolve este ano um programa de educação cultural, no quadro do projecto “Museu ao Encontro das Comunidades”.
A directora do Museu Regional da Huíla, Suraia Santos, disse ao Jornal de Angola que o projecto foi criado para destacar os valores culturais e apoiar a preservação do património cultural.

Direcção do museu está preocupada com o actual estado de preservação do património nacional e da sua importância para os jovens
Fotografia: Arão Martins | Lubango

O Museu Regional da Huíla desenvolve este ano um programa de educação cultural, no quadro do projecto “Museu ao Encontro das Comunidades”.
A directora do Museu Regional da Huíla, Suraia Santos, disse ao Jornal de Angola que o projecto foi criado para destacar os valores culturais e apoiar a preservação do património cultural.
Suraia Santos indicou ainda que este ano as actividades do Museu da Huíla vão estar viradas para a educação cultural, em prol da defesa do património, nas escolas primárias, secundárias e instituições do ensino superior.
A programação do museu começou o ano com uma exposição fotográfica de penteados tradicionais do sul de Angola, integrada nas comemorações do Dia da Cultura Nacional.
Suraia Santos afirmou que existe a intenção de divulgar os projectos do museu junto das comunidades tradicionais, não só da Huíla, mas também do Cunene, Namibe e Kuando-Kubango.
A directora afirmou que a educação cultural é também uma questão de cidadania e deve ser abrangente. “A defesa do património diz respeito a todos. Cada um tem que estar consciente e educado no sentido de proteger e preservar esta riqueza nacional”, defendeu.
Suraia Santos explicou que as palestras e acções formativas que têm sido feitas nas escolas têm ajudado a esclarecer os jovens sobre a importância da preservação do património cultural. O projecto Museu ao Encontro das Comunidades visa igualmente a identificação de peças tradicionais.
“Vamos implementar o projecto, não só para dar a conhecer às pessoas, mas queremos aproveitar também a oportunidade para fazer a recolha, não só de informação, mas também de peças novas para enriquecer o acervo do Museu Regional da Huíla”, acentuou. O projecto, acrescentou, tem duas vertentes: sensibilizar a população sobre a importância da preservação do património cultural e aprofundar o conhecimento sobre as comunidades da região sul de Angola.
“Quando conseguirmos implementar esse projecto a 100 por cento, tenho a certeza que vamos conseguir muito mais peças para enriquecer o acervo do Museu Regional”, garantiu.
Para o efeito, adiantou, o Museu da Huíla necessita de um meio de transporte para os investigadores contactarem as comunidades.
Com essas visitas, acrescentou, pretende igualmente transmitir informação sobre a instituição.
Suraia Santos disse que o projecto abrange todas as comunidades do sul de Angola, com vários grupos linguísticos das 4 províncias, que estão representados no Museu Regional da Huíla. “Precisamos de forma urgente conhecer melhor essas comunidades e grupos linguísticos para podermos explicar aos nossos visitantes nacionais e estrangeiros como vivem, pois falta-nos essa componente que deveria ser explorada de forma mais intensa”, justificou. Suraia Santos revelou que o Museu Regional da Huíla tem, actualmente, cerca de 2 mil peças etnográficas, das quais 300 em exposição. Também possui peças deixadas por portugueses que colonizaram o sul do país.
“Temos cerca de 2.000 fotografias todas inventariadas e uma colecção bibliográfica também inventariada e catalogada. Existem igualmente documentos que estão a ser organizados por data, períodos e por assuntos”, destacou.
Suraia Santos disse que o trabalho está a ser feito de forma contínua desde 2011 e que vai continuar ao longo de 2013.
O Museu Regional da Huíla é um edifício adaptado, que apresenta limitações de espaço e conservação do acervo. Por isso, defendeu a construção de um museu que obedeça aos padrões internacionais e acessível a todo o tipo de público, incluindo pessoas com deficiência.
Em 2012, informou, 3.600 pessoas visitaram o Museu Regional da Huíla, entre estudantes do ensino primário, secundário e universitário, habitantes locais e de outras províncias, para além de turistas estrangeiros, com maior realce para portugueses.
A divulgação dos costumes e tradições dos habitantes do sul de Angola é a principal aposta da direcção do museu para este ano, com a participação em fóruns e conferências internacionais, estando já confirmada a presença num encontro organizado pela Universidade do Porto, Portugal.

Tempo

Multimédia