Províncias

Primeiras casas começam a ser construídas

Estanislau Costa| Caluquembe

A nova centralidade do município de Caluquembe, na Huíla, regista, desde terça-feira, uma maior dinâmica, com o início das obras de construção das primeiras 40 casas.

Governador da província da Huíla João Marcelino Tyipinge colocou a primeira pedra para a constução da nova centralidade na região
Fotografia: Arimateia Baptista

O governador da Huíla, João Mar­celino Tyipinge, que avaliou, durante dois dias, a aplicação dos programas do Executivo na circunscrição, procedeu ao lançamento da empreitada a cargo da construtora nacional Edison Internacional. As obras vão durar três meses.
A construção das casas, 20 vivendas de tipo T3 e dez com um piso cada, faz parte do programa de 200 fogos habitacionais, concebido pelo Executivo com o propósito de aumentar a oferta de habitação. Para o efeito, vão ser empregues mil milhões de kwanzas.
O administrador municipal de Caluquembe, José Arão Nataniel, explicou que os dez edifícios com um piso vão ser os primeiros com uma estrutura arquitectónica credível e além de acomodarem duas famílias vão dar um novo aspecto à sede.
Os projectos, que visam o desenvolvimento do município, vão proporcionar um número considerável de postos de trabalho, fundamentalmente nas áreas de construção civil, assim como incentivar o empreendedorismo entre os jovens.
“Estamos a desenvolver diversos programas que vão culminar com o alargamento da cidade de Caluquembe e criar bases sólidas para o município aumentar a sua comparticipação na produção de alimentos, com realce para os cereais e leguminosas, e no Orçamento Geral do Estado”, disse.A construtora Edison Internacional projectou a obra numa área extensa já desmatada, onde também vão ser erguidas infra-estruturas para o comércio, escolas, hospitais, esquadras da Polícia, espaços para prática do desporto, lazer e recreação.A resolução das necessidades básicas da população é visível, daí os constantes apelos para a continuidade dos programas do Executivo.
O Jornal de Angola apurou que o projecto estruturante de requalificação da sede municipal de Caluquembe contempla, ainda, a abertura de mais de 20 avenidas, 150 ruas secundárias e o calcetamento de dezenas de quilómetros de passeios.

Entrega de casas


A falta de casas para acomodar os técnicos interessados em contribuir para o progresso de Caluquembe começa a ser minimizada com a entrega, na terça-feira, de 20 casas evolutivas pelo governador João Marcelino Tyipinge.O jovem António Mário considerou importante a construção de casas evolutivas por fazer com que o seu processamento seja rápido e fortalecer a responsabilidade dos futuros proprietários, uma vez que cada beneficiário tem a possibilidade de se empenhar na conclusão da obra.
Os beneficiários disseram que estão preparados e motivados para efectuar os acabamentos necessários, de modo a criar as condições adequadas para instalar a família. “Somos jovens oriundos do Lubango e de outras cidades do país para reforçar o número de quadros nos sectores da educação, saúde, construção civil, agricultura e outras.
”A promoção da autoconstrução dirigida foi lançada pela Administração Municipal de Caluquembe com a entrega de 280 parcelas de terras de mil metros quadrados. Os lotes distribuídos estão nas reservas fundiárias do Santiago, Cuando Sacalesso e Caissaca.
As reservas fundiárias do município possuem áreas para a instalação de indústrias, estabelecimentos comerciais, escolas, creches, avenidas, espaços verdes, montagem de sistemas de captação e distribuição de água e energia, entre outros serviços.

 Satisfação

O soba João Calupanhe enalteceu as acções do Executivo por dar mais vida aos municípios distantes das sedes provinciais.
“Temos, hoje, casas para os técnicos, terrenos para construir hospitais, escolas, antena do ensino superior, avenidas asfaltadas. A nossa vila está mais movimentada e atraente”, disse.

Tempo

Multimédia