Províncias

Produção agrícola aumenta na Chibia

Estanislau Costa | Lubango

O perímetro irrigado das Gandjelas permite a produção agrícola ininterrupta em grandes áreas férteis da Chibia, na Huíla.

Administradora técnica Josefa dos Santos
Fotografia: Estanislau Costa

O perímetro irrigado das Gandjelas permite a produção agrícola ininterrupta em grandes áreas férteis da Chibia. A fase experimental começa a dar os primeiros frutos com a colheita de 106 toneladas de milho e 16 de feijão.
Os dados são da administradora técnica da empresa Sogangelas, Josefa dos Santos, que considerou positivos os resultados alcançados na execução da primeira fase com o cultivo de 100 hectares na campanha agrícola passada.
Josefa dos Santos explicou que com a conclusão da reabilitação e ampliação do perímetro de irrigação, com 30.635 metros de extensão, e da barragem das Gandjelas, com capacidade para armazenar mais de três milhões de metros cúbicos de água, estão lançadas as bases para o arranque da produção num sistema ininterrupto.
Neste momento, sublinhou Josefa dos Santos, já começou o cultivo na outra área piloto do projecto, com 358hectares subdivididos em 38 lotes com cerca de três hectares, que foram distribuídos a 21 jovens empresários, 24 camponeses e 25 agricultores. Cada pessoa contemplada teve de comparticipar com uma jóia de 24 mil Kwanzas por cada hectares. Nas áreas distribuídas, os novos e antigos produtores plantaram 87 hectares de fruteiras, com destaque para laranjeiras, tangerineiras, limoeiros, goiabeiras e mangueiras.
Nos vastos campos trabalhados, estão a ser ensaiados vários tipos de irrigação, gota a gota, aspersão e micro aspersão.
      
Cultivo de frutas

O jovem Núrio da Costa, que após concluir o curso de agronomia no Instituto Agrário do Tchivinguiro quer ser fruticultor na Chibia, 45 quilómetros a sul da cidade do Lubango, explora uma área de cinco hectares do perímetro irrigado das Gandjelas.
O jovem empresário plantou 854 laranjeiras, 72 limoeiros, 69 mangueiras e usa o estrume bovino como fertilizante. As fruteiras importadas da África da Sul adaptaram-se melhor ao solo e estão a desenvolver-se bem.
A preferência pela fruticultora, explicou, deve-se ao facto de, além da sua família fazer agricultura com sucesso, até ao momento, ninguém apostou na produção de fruta em quantidade favorável ao comércio. “Daqui a dois anos, terei muita fruta para injectar no mercado nacional”.
Entre as várias propriedades agrícolas, a de Núrio da Costa é a que está mais bem tratada e com a fruta a desenvolver bem. “Quando abraçamos a agricultura, devemos ter a noção de cuidar das plantas como mandam as regras, se quisermos ter bons resultados e boas safras”, disse.
Núrio da Costa aconselha outros jovens da Huíla e de todo país a virem à Chibia para adquirirem um lote de terra produtiva e empenharem-se na produção agrícola, diversificar os alimentos e dar o seu contributo para a balança alimentar nacional.
“O Governo fez o melhor ao investir na reabilitação e ampliação do perímetro irrigado e da barragem das Gandjelas. Há água suficiente para permitir que a agricultora seja feita sem interrupções ou com dependência exclusiva das chuvas”, declarou.

Criação de empregos

A reactivação do perímetro irrigado das Gandjelas prevê proporcionar mais de 300 novos postos de trabalho em várias áreas produtivas, facto que vai contribuir para a redução do índice de desempregados.
Os novos postos de trabalho estão a ser criados, sobretudo nos sectores da agricultura, indústria e comércio, o que exige mão-de-obra qualificada para que a empreitada tenha êxito.
Para aqueles que pretendem constituir pequenas empresas, o projecto prevê a formação na área de gestão agrícola e assessoria técnica no sentido de dotar os interessados com experiências apropriadas. Maior oportunidade está a ser dada aos desmobilizados e jovens com idades entre os 18 e os 38 anos, com formação académica, técnicoprofissional e experiência nestes ramos.

Distribuição de lotes

O governador da província da Huíla, Isaac Maria dos Anjos, exortou a empresa gestora do perímetro irrigado das Gandjelas a acelerar o processo de distribuição de lotes de terras produtivas, especialmente aos jovens interessados a apostar na agro-pecuária.
Isaac Maria dos Anjos, que falava, terça-feira, aos munícipes, empresários e autoridades tradicionais que acorreram à sala do Club Juvenil da Chibia, disse que com as condições criadas para o aumento da actividade agrícola “é preciso apelar aos jovens a apostarem a sério na agricultura, mas para isso é preciso facilitar a entrega de parcelas de terras”.
Os jovens, afirmou, devem mudar de atitude e pensar em vários projectos de vida, sendo um deles a agro-pecuária, porque é importante para o aumento e fortalecimento da produção alimentar do país.
O município da Chibia foi privilegiado com a reabilitação do canal de irrigação e da barragem.
Para o governador, a entrega dos jovens ao sector agrícola é uma das portas para produzir recursos, criar bases sólidas para a satisfação das necessidades básicas e “contribuir para pouparmos as nossas divisas com a importação de produtos alimentares”.
O governador visitou toda a extensão do perímetro irrigado das Gandjelas, antigos e novos terrenos loteados para a lavoura e sistemas de bombagem. E visitou as explorações de alguns fazendeiros locais que beneficiam da água da barragem das Gandjelas.
Recebeu igualmente explicações da direcção da administração da empresa Sogangelas, sobre os armazéns construídos no âmbito do projecto do Presild e as 30 casas para os finalistas dos cursos agrários que vão ser enquadrados no projecto.

Aumento da produção

A partir de 2015, os dois mil hectares do complexo agrário das Gandjelas, no município da Chibia, vão anualmente produzir mais de 47 mil toneladas de alimentos diversos. Nesse ano todos os campos estão a funcionar em pleno e o município da Chibia vai resgatar o potencial produtivo que já tinha na época colonial, com a produção de diversos cereais, produtos horto-frutícolas e criação de gado bovino, caprino, suíno e aves.
A Sociedade de Gestão do Perímetro Irrigado das Gandjelas (Sogangelas), que coordena a gestão do complexo há quase dois anos, está a criar condições técnicas, estudo e análise de solos, para facilitar a actividade dos pequenos e grandes agricultores.
A administradora técnica da Sogangelas, Josefa dos Santos, informou que está em preparação a segunda área piloto, com 513 hectares, que vai ser repartida em 138 lotes, que serão entregues aos antigos e novos agricultores interessados em desenvolver a actividade agrícola na Chibia.
A componente importante da segunda área piloto consiste na reintegração de famílias que habitam e desenvolvem as suas actividades nas proximidades do complexo produtivo das Gandjelas. “Acreditamos que com a inclusão dos habitantes da zona, ninguém é excluído de beneficiar da água transportada pelos canais e do processo produtivo”, disse Josefa dos Santos.

Tempo

Multimédia