Províncias

Produção da Moageira da Huíla ao serviço da reintegração social

Arão Martins | Lubango

A fábrica de moagem “Moatrimil”, na cidade do Lubango, vai fornecer ao Governo da Província da Huíla, até finais deste mês, duas mil toneladas de farinha de milho para apoiar o Programa de Reintegração Social.

Muitas moageira trabalham com equipamentos antigos
Fotografia: Arimateia Baptista | Lubango

A fábrica de moagem “Moatrimil”, na cidade do Lubango, vai fornecer ao Governo da Província da Huíla, até finais deste mês, duas mil toneladas de farinha de milho para apoiar o Programa de Reintegração Social.
O director-geral da moageira, propriedade da Socolil, Humberto Nóbrega, garantiu que os níveis de produção aumentaram e satisfaz as necessidades. Nóbrega disse que a fábrica produz 120 toneladas de farinha por dia, o que corresponde a 60 por cento da sua produção. Para  garantir a produção, acrescentou, a empresa adquire o milho nos municípios da Huíla e também em Malange.  O preço do milho adquirido em Malange tem sido alto, segundo Humberto Nóbrega, o que faz  com que se comercialize o saco de 50 quilogramas de milho a quatro mil kwanzas.  “A moagem tem recebido muitas solicitações. O Governo da Província da Huíla, através da Direcção Provincial do Ministério de Reinserção Social (MINARS), preparou connosco um programa de reintegração social e de apoio às famílias desalojadas pelas chuvas, e isso fez com que aumentássemos a produção”, disse o director-geral da moageira. 
O secretário de Estado da Industria, Kiala Gabriel, que fez parte de uma comitiva que visitou a moageira, referiu ao Jornal de Angola que a moagem é uma actividade estratégica para o Executivo, no quado do programa da diversificação da economia. O governante disse que existem muitas moageiras que estão paralisadas, mas que já foi aprovado um programa que visa a sua reactivação. “Muitos destes empreendimentos estão inoperantes, e alguns ainda em funcionamento, trabalham com equipamento antigo”, sublinhou Kiala Gabriel, acrescentado  ser necessário  apostar mais na indústria.

Tempo

Multimédia