Províncias

Produção de fruta aumenta na Huíla

Estanislau Costa | Lubango

Mais de duas mil plantas, de laranjeiras, tangerineiras e mangueiras, foram distribuídas, na Expo Huíla realizada na cidade do Lubango, aos produtores de hortofrutícolas que exploram dezenas de hectares de terras aráveis em vários municípios e outros pontos do país.

Produtores que exploram hectares de terras na província da Huíla garantem que as plantas adaptam-se bem ao clima da região
Fotografia: Estanislau Costa | Lubango

O programa, levado a cabo pela Sociedade Gestora do Perímetro Irrigado das Gangelas, visa repovoar e fomentar o cultivo de quantidades consideráveis de fruta diversificada, para fazer face à procura e abastecer as pequenas indústrias de transformação.
O engenheiro do departamento técnico da Sogangelas, Elias Tchutumba, disse ao Jornal de Angola que a participação na Expo, além de ter permitido a troca de experiências, visou a­purar a nova tecnologia de mecanização agrícola e criar novas parcerias para possibilitar aos pequenos e grandes produtores de fruta melhorarem as suas espécies.
No local da exposição, afirmou, foram entregues 200 plantas. “Quando os feirantes provenientes de vários pontos da província, do país e do estrangeiro se aperceberam do custo módico de 1.000 Kwanzas por cada planta, as encomendas aumentaram”.
Elias Tchutumba descreveu que a qualidade e poder de produção das plantas adquiridas na África do Sul, através da parceria entre a Sogangelas e fruticultores sul-africanos, “cativaram os agricultores com pomares da região Centro e Sul do país”. O programa de repovoamento de pomares e de fomento e expansão da produção, iniciado em princípios do ano passado, já atingiu 40 mil plantas, fornecidas fundamentalmente aos municípios da Humpata, Chibia, Lubango, Quipungo e Matala.
A partir de meados do próximo mês, o perímetro irrigado das Gangelas, localizado no município da Chibia, vai começar a fornecer plantas de frutas, produzidas nos viveiros implantados através de um consórcio sul-africano. O programa visa fazer com que as comunidades rurais apostem na plantação de mais laranjeiras, tangerineiras e mangueiras, para favorecer o aumento das colheitas e abastecer o mercado nacional, incluindo as pequenas e grandes indústrias.
Considerou importante o aumento da produção e qualidade da fruta por favorecer o rendimento das famílias das zonas rurais e contribuir para o combate à pobreza. “Só com plantas de frutas renovadas é possível rentabilizar a produção e abastecer as pequenas indústrias”.  As 45 mil árvores de frutas, entre as quais limoeiros, laranjeiras, tangerineiras e mangueiras, distribuídas o ano passado pelo projecto “Nossa Terra”, da Caixa de Segurança Social das FAA, nas zonas produtivas da Huíla, Namibe e Cunene, estão a produzir, de acordo com o previsto.
O produtor Francisco Tchohanga, que explora 30 hectares em Quipungo, afirmou que as plantas se adaptaram bem ao clima e solo, estando neste momento a proporcionar boas quantidades. “Há muita procura de limão, manga e laranja, devido à boa qualidade”, disse.

Tempo

Multimédia