Províncias

Produtos são testados em laboratório

Arão Martins | Lubango

O Laboratório Regional de Veterinária da Humpata, a oeste do Lubango, província da Huíla, a­nalisou, ao longo de 2012, seis mil amostras de produtos alimentares de origem animal, vegetal e seus derivados.

O Laboratório Regional de Veterinária da Humpata, a oeste do Lubango, província da Huíla, a­nalisou, ao longo de 2012, seis mil amostras de produtos alimentares de origem animal, vegetal e seus derivados.
Carlos António Lino, director daquela instituição, informou que, do total de amostras analisadas, quatro por cento foram tidas como impróprias para consumo, entre produtos alimentares de origem animal, vegetal e derivados, secos ou congelados.
Foram igualmente feitas análises de tecnologia alimentar, como organoléptico, microbiologia, a produtos secos (farinha de milho, arroz, bolacha) entre outros.
Ao longo do ano, também foram realizadas análises a produtos de origem animal (mariscos e carnes congeladas). Os exames de bacteriologia, em pesquisas de micoplasma 8 (P.P.C.B), pesquisa do antibiograma (T.S.A), completaram os exames.
A serologia com pesquisa da brucela e a parasitologia, com realce para as de hematozoários, exame coprológico, dermatológico e a determinação de hematocritos, atarefaram os técnicos veterinários do laboratório, tutelado pelo Ministério da Agricultura.
 Para verificar a operacionalidade e trabalho que é desenvolvido, o governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, visitou o Laboratório Regional de Investigação Veterinária, que conta com técnicos nacionais formados em Angola e no estrangeiro.
O governador visitou as áreas de Tecnologia Alimentar e Meios de Cultura, Parasitologia, Lavagem e de Bacteriologia, além de Serologia, Anatomia Patológica, área de recepção e amostras, Biblioteca e Direcção.
A instituição conta com seis técnicos médios formados no Instituto Médio Agrário do Tchivinguiro e outros quadros angolanos provenientes de Cuba, Rússia e Portugal.
O director do Laboratório disse que as secções de patologias e tecnologia alimentar foram as aéreas que mais trabalho tiveram, com análises a entre 80 e 95 por cento dos produtos testados.
Carlos António Lino assegurou que o laboratório está equipado com aparelhos de tecnologia de ponta, adquiridos pelo Executivo, através do Ministério da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, o que permitiu realizar os exames com segurança.
A única contrariedade verificada ao longo do ano, teve a ver com a falta de meios de transporte para facilitar a recolha e transporte de produtos a serem submetidos em análise no laboratório da Humpata. Na perspectiva de Carlos António Lino, 2013 vai ser um ano de muito trabalho e entrega, sobretudo no aumento da investigação de doenças e outros produtos de origem animal e vegetal. Aos grossistas e retalhistas, o responsável alertou para a necessidade de estarem atentos na observação dos rótulos dos alimentos de qualquer origem, e para a qualidade dos pro­dutos a serem adquiridos para consumo humano.
O indivíduo que se deparar com alguma anomalia nos bens alimentares deve apresentar esse facto às autoridades competentes, para que o produto seja submetido a testes laboratoriais e determinar a sua qualidade, acrescentou.
O Laboratório Regional de Investigação Veterinária da Humpata, pertence ao Ministério da Agricultura, mas é tutelado pelo Instituto de Investigação Veterinária.

Tempo

Multimédia