Províncias

Professores e enfermeiros recebem casas no Mulondo

A entrega de duas moradias do tipo T3 aos professores e técnicos de saúde da sede comunal do Mulondo, na província da Huíla, está a melhorar as actividades referentes ao processo de ensino e aprendizagem e assistência médica aos pacientes.

Com a recepção das casas os profissionais prometem mais empenho e dedicação
Fotografia: Arão Martins

A entrega de duas moradias do tipo T3 aos professores e técnicos de saúde da sede comunal do Mulondo, na província da Huíla, está a melhorar as actividades referentes ao processo de ensino e aprendizagem e assistência médica aos pacientes.
As residências entregues às autoridades da comuna pelo vice-governador para a área técnica e urbanística, Nuno Mahapi, orçaram em cerca de 11,6 milhões de kwanzas e estão enquadradas no Programa de Intervenção Municipal (PIM), relativas ao ano transacto.
A professora Namucuma Pio, admitida no último concurso público, elogiou as autoridades da administração da Matala, pela construção e apetrechamento, com mobiliário diverso, das casas para os professores e enfermeiros.
A professora garantiu que ela e seus colegas vão continuar a lutar para formar quadros e participar no processo de reconstrução nacional.
A autoridade tradicional da comuna, João Calondungui, disse que a localidade de Mulondo está a progredir com a inauguração de casas para os técnicos da Educação e Saúde, construção de escolas e postos médicos, incluindo o recheio das farmácias, que melhoraram a assistência aos pacientes.
João Calondungui, que considerou acertada a criação do programa “Crédito agrícola de campanha”, por potenciar os produtores com meios diversos, disse que os pequenos e grandes agricultores estão agora mais motivados a cultivar, aumentar as áreas e a diversificar a produção local.
Segundo o soba, muitos camponeses da comuna do Mulondo receberam sementes diversas, fertilizantes, instrumentos de trabalho, charruas, gado para tracção, animais para fomentar a criação e hectares de terras aráveis já limpos de engenhos explosivos.
O velho Calondungui dá o seu voto de confiança ao Executivo pela transformação da comuna. “As escolas, criadas pelo programa do nosso governo, estão a ensinar muitas crianças e jovens do Mulondo a aprender ler, escrever e fazer contas do dinheiro da venda dos produtos agrícolas.”


Obras em carteira


No âmbito do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza, uma escola de seis salas vai ser construída, em princípios do próximo ano, na comuna de Mulondo.
A par dessa escola, a localidade vai beneficiar ainda de um campo de futebol 11, bem como vai beneficiar da reabilitação da estrada Matala-Mulondo-Cuvelai, entre outras acções.
O administrador municipal da Matala, Miguel Vicente, que avançou a informação, ressaltou a necessidade dos professores, enfermeiros, pequenos empresários, agricultores e população a preservarem os imóveis.
“O Executivo colocou à disposição de cada município recursos significativos para materializar seus programas, que visam o bem-estar de toda a população”, disse o responsável administrativo.
As referidas acções, salientou o administrador, baseiam-se na construção de escolas, postos de saúde, sistemas de geração e distribuição de energia eléctrica, captação e fornecimento de água, bem como da criação de condições para aumento da produção agrícola.
Miguel Vicente informou que estão a ser empregues 214 milhões de kwanzas na construção de quatro escolas primárias, com seis salas de aulas cada, instituições que vão servir o ensino primário e secundário do primeiro ciclo, nas localidades de Canjanguite, Cahululo, Camucua e Camuyahulo.
O administrador municipal revelou igualmente que foram também disponibilizados recursos para melhorar a imagem das infra-estruturas de saúde das comunas de Capelongo, Freixiel, Castanheira de Pêra e Candjanguite.
Os referidos postos de saúde estão a beneficiar de sistemas de energia solar e furos de abastecimento de água, concluiu o responsável administrativo.

Tempo

Multimédia