Províncias

Programas de reintegração são elogiados

Arão Martins | Lubango

Os programas de reintegração de idosos e pessoas portadoras de deficiência em actividades úteis foram elogiados no Lubango pela ministra de Desenvolvimento Comunitário e Saúde Materno-Infantil da Zâmbia, Emerine Kabanshi.

Ministro da Assistência e Reinserção Social manifestou satisfação pelos ganhos conseguidos com a criação do centro na Huíla
Fotografia: Arimateia Baptista | Lubango

A ministra zambiana falou à imprensa após a visita ao centro de pessoas portadoras de deficiência e deficientes de guerra Elavoco, no Lubango, criado em Dezembro de 2006 pelo Ministério da Assistência e Reinserção, que desenvolve actividades em prol dos grupos mais vulneráveis.
Acompanhada pelo ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua, Emerine Kabanshi referiu que nas províncias que visitou (Bié, Huambo, Huíla e Luanda) foram criadas instituições que permitiram enquadrar os portadores de deficiência em cooperativas agrícolas, serviços de moto-táxi, serralharia, alfabetização e formação em línguas estrangeiras.
Referiu ainda os programas voltados para os idosos, que além de funcionarem como terapia ocupacional, permitem gerar receitas e melhorar a sua vida. “Quero reconhecer o empenho do Executivo que tem estado a criar políticas sustentáveis para o bem das populações, nestes poucos anos de paz no país. Estou muito tocada com aquilo que encontrei aqui”, afirmou Emerine Kabanshi.
“O que podemos observar em Angola é que as pessoas com deficiência se sentem bem por serem integradas em áreas que permitem enfrentar os desafios da vida”, acrescentou a ministra zambiana.
A visita da delegação zambiana a Angola visou a troca de conhecimentos entre os dois países, disse a ministra. “Os ganhos que Angola conseguiu vão servir-nos muito como experiência para desenvolver projectos semelhantes na Zâmbia”.
Emerine Kabanshi defendeu a troca contínua de experiências para que Angola e a Zâmbia colham algo de novo dos sucessos e fracassos em termos de projectos a favor das crianças, idosos e pessoas portadoras de deficiência.

Satisfação dos beneficiários


O director do Centro Elavoco, Francisco Chivelavela, disse que as condições de vida dos portadores de deficiência melhoraram com o empenho do Executivo e do Governo Provincial, que consideram uma prioridade a solução das preocupações deste grupo no quadro da política inclusiva.
Francisco Chivelavela informou que o centro desenvolve várias actividades em prol dos grupos mais vulneráveis e conta com 870 membros, distribuídos em 12 cooperativas, das quais quatro são de moto-táxi, duas no município do Lubango, uma na Matala e outra em Quipungo.
Existem ainda duas cooperativas de venda de refrigerantes e produtos alimentares, uma cooperativa agro-pecuária na comuna do Sendi, município de Quipungo, duas de serralharia, uma de sapataria e de engraxadores.
Com a criação do Centro Elavoco, 53 membros foram inseridos no sistema de alfabetização, que funcina com duas salas, e 81 membros foram inseridos nos programas de formação profissional, nos cursos de informática, electricidade, corte-e-costura, serralharia, culinária, decoração e mecânica.
“Estamos convictos de que mais acções a nosso favor vão ser desenvolvidas para superar as principais dificuldades no domínio do acesso ao microcrédito e a aquisição de meios de compensação”, disse.
O ministro da Assistência e Reinserção Social, João Baptista Kussumua, manifestou satisfação pelos ganhos conseguidos com a criação do centro para pessoas portadoras de deficiência e deficientes de guerra na Huíla.
O ministro referiu que no início da criação da instituição esperavam-se muitas dificuldades, mas hoje é possível ver que os ganhos são positivos, devido ao empenho da direcção do centro, da Assistência e Reinserção Social na Huíla e do Governo Provincial.
“Surpreenderam-nos os resultados alcançados e constatados na província da Huíla”, afirmou o ministro. E garantiu que “onde existir empenho, sobretudo onde existir imaginação, o Governo vai continuar e duplicar os apoios necessários”.
João Baptista Kussumua destacou que a atitude da direcção do centro Elavoco dever ser um exemplo. “Fiquei muito satisfeito com os resultados encontrados. Vamos organizar melhor os próximos apoios, para alargarmos os esforços e o número de beneficiários”, prometeu o ministro.

Avaliação dos resultados


A direcção do centro vai apresentar uma avaliação dos resultados, com a menção dos constrangimentos encontrados no projecto e caminhos que devem ser seguidos para superar as dificuldades.
“Temos ainda saúde e mente sã para reflectir melhor e vamos duplicar os nossos esforços para obter melhores resultados, melhorar as condições de vida dos beneficiários directos e das famílias”, disse João Baptista Kussumua.
A mensagem final do ministro foi de incentivo a todas as instituições e pessoas envolvidas na criação e gestão do centro: “não podemos cair no desânimo. Felicito e vou continuar a felicitar todos aqueles que conseguiram dar uma força nesse projecto que tem resultados visíveis”.

Tempo

Multimédia