Províncias

Proposta construção de muros de espera

Domingos Mucuta | Humpata

O primeiro licenciado em Engenharia de Construção Civil na região sul do país pelo Instituto Superior Politécnico Tundavala defendeu, no município da Humpata, a edificação de muros de espera, para travar os desmoronamentos e escorregamentos idênticos aos registados durante as chuvas de 2011, nas encostas da Serra da Leba.

Zonas da Serra têm as encostas com grandes inclinações o que as torna vulneráveis
Fotografia: Estanislau Silva

Carlos Alberto Afonso, que tem igualmente um mestrado em Ciências de Engenharia Mecânica, referiu ainda que este exercício deve ser efectuado, uma vez que o talude da Serra da Chela é uma estrutura vulnerável a factores meteorológicos pouco comuns.
O engenheiro constatou durante um estudo de caso que várias zonas da Serra da Chela possuem inclinações das encostas com aproximadamente 45 graus e em rochas chegam a ser verticais e até sub-verticais.
A precariedade dos taludes provoca instabilidades traduzidas em desmoronamentos e escorregamentos de encostas, além de outros fenómenos, com destaque para os fluxos de solos.  Carlos Alberto Afonso recomendou o redimensionamento das obras de drenagem transversais, verificações, limpezas e manutenções periódicas das passagens hidráulicas, assim como a tomada de medidas de correcção torrencial para controlar as ocorrências de caudais sólidos, despistagem de blocos de pedra instáveis, para provocar queda artificial.
A diminuição do risco de deslizamentos passa pela execução de obras de contenção devidamente colocadas e dimensionadas, assim como pela correcção da geometria de taludes para prevenção de escorregamentos, arborização de encostas e construção de travessões drenantes para reter resíduos. O engenheiro de 54 anos manifestou preocupação em relação ao bloco gigantesco com cerca de 500 toneladas que ainda obstrui em mais de 50 por cento a maior passagem hidráulica na Serra da Chela. “A situação é caricata, pois transcorridos mais de três anos, o bloco ainda permanece no local do incidente, talvez, a­guardando que aconteçam novas enxurradas e se submeta ao risco as populações que habitam a jusante da Leba”, referiu.
A Serra da Leba, situada a 42 quilómetros da cidade do Lubango, é património natural e turístico com várias curvas e contracurvas. O troço da Leba possui cerca de 15 quilómetros.

Tempo

Multimédia