Províncias

Quilengues tem novo hospital e uma agência bancária

André Amaro| Lubango

O município de Quilengues tem um novo centro municipal de saúde, a primeira agência bancária e uma central térmica de energia eléctrica.

As novas infra-estruturas foram inauguradas pelo vice-governador para a Área Económica no âmbito das festividades da independência
Fotografia: André Amaro| Lubango

O município de Quilengues tem um novo centro municipal de saúde, a primeira agência bancária e uma central térmica de energia eléctrica. A população está satisfeita porque usufrui de melhor assistência médica e medicamentosa.
A nova central térmica garante o abastecimento doméstico e a iluminação pública. Pela primeira vez depois de 35 anos, o município tem uma agência bancária.
Afonso Joaquim, 50 anos, metade dos quais a residir no município de Quilengues, está feliz com as inovações na vila, que já foi um dos mais importantes centros económicos do Sul de Angola com a produção de tabaco, algodão e girassol.
Para Afonso Joaquim, os habitantes do município de Quilengues têm motivos de sobra para comemorar a conquista da Independência Nacional, “porque graças a ela, temos escolas, unidades sanitárias, energia eléctrica, água potável e muito mais”.
 Afonso Joaquim está satisfeito porque “graças à Independência Nacional, os nossos filhos já têm escolas para estudar, um serviço de pediatria no hospital, maternidade para as mulheres, clínica geral para todos os habitantes”.
Satisfeito com as novas infra-estruturas sociais está o funcionário público Gabriel Alberto, que louvou o esforço das autoridades para garantirem os serviços básicos às populações.
Gabriel Alberto sublinhou que a criação dos novos serviços é sinónimo de desenvolvimento, na medida em que os habitantes de Quilengues já não precisam de se deslocar à cidade do Lubango para fazerem consultas médicas, transacções bancárias e navegar na Internet.
  Os ganhos da independência no município de Quilengues também passam pela asfaltagem da estrada principal de acesso às províncias de Benguela, Kwanza-Sul e Luanda e instalação do sistema de telefonia móvel que permite a ligação com o mundo.
O centro municipal de saúde, a construção, reabilitação e ampliação das escolas, a inserção de mais professores no sistema de ensino e o melhoramento dos sistemas de abastecimento de energia eléctrica e água potável, são outros ganhos importantes.
A camponesa Isabel Inácia está feliz, porque o seu filho está a frequentar o ensino médio, “mas há 35 anos só filho do colono tinha esta oportunidade. Não sei ler nem escrever, porque no tempo colonial não era qualquer um que podia estudar, mas depois da independência as coisas mudaram e todos passamos a ter acesso aos estudos, isso é um grande ganho”, disse.
 
Saúde de qualidade

A Assistência médica e medicamentosa aos habitantes do município de Quilengues é feita em melhores condições, fruto da entrada em funcionamento do novo Centro Municipal de Saúde.
O hospital está apetrechado com meios modernos e tem capacidade para internar 20 pacientes.
No centro são prestados serviços nas especialidades de clínica geral, obstetrícia, pediatria, ginecologia, Raios X e ortopedia, cujo funcionamento é assegurado, numa primeira fase, por um médico, 15 enfermeiros e 14 técnicos de apoio hospitalar.
O hospital tem um laboratório de análises clínicas, sistema de captação, reservatório e purificação de água, gerador eléctrico de 50 KVA, morgue com capacidade para seis corpos e uma ambulância.
O responsável da repartição municipal de Saúde em Quilengues, Gabriel Adriano, disse que o centro tem meios técnicos e humanas para prestar assistência médica em pediatria, maternidade e clínica geral.
De acordo com Gabriel Adriano, doenças como a malária, diarreias agudas e má nutrição, cujos pacientes tinham que serem evacuados para a cidade do Lubango por falta de condições, já podem ser assistidas no município.
 “O antigo centro de saúde era pequeno e não possuía laboratório de análises clínicas, Raios X, bloco operatório e outros serviços necessários para o tratamento da maior parte das patologias”, frisou
O vice-governador da Huíla para a esfera Económica, Pontes Pereira, que procedeu à inauguração do hospital, no âmbito das comemorações da Independência Nacional, disse que esta é uma forma de melhorar a qualidade de vida das populações.
Pontes Pereira garantiu que o Executivo vai continuar a trabalhar para a colocação de mais médicos nas unidades hospitalares dos municípios e uma passo já foi dado com a abertura do Faculdade de Medicina do Lubango.
 
Educação

           
 O sistema de ensino e aprendizagem no município de Quilengues conheceu melhorias consideráveis com a construção ampliação e apetrechamento dos estabelecimentos escolares.  De acordo com o administrador municipal, Salomão Agostinho, nos últimos quatro anos foram abertas seis novas escolas, elevando para 116 o número de estabelecimentos de ensino distribuídos pelas diferentes comunas e sectores.
  Sublinhou que este ano lectivo foi possível matricular 25.200 alunos desde a iniciação ao ensino médio, enquanto 3.200 ficaram forma do sistema normal de ensino.
 O processo de ensino em Quilengues é assegurado por 706 professores. Este ano houve um reforço de mais 130 novos agentes de ensino.
Salomão Agostinho salientou que o município ganhou nos últimos três anos mais professores com formação media e superior, o que é positivo. As autoridades municipais, garantiu, estão empenhadas em acabar com as crianças fora sistema de ensino e expandir o ensino médio, por isso está a projectar a construção de mais salas de aulas.
 
Energia eléctrica
         
Quanto ao abastecimento de energia eléctrica à sede municipal de Quilengues, está em curso a montagem de uma central térmica com capacidade para fornecer seta megawts, 24 horas ao dia.
A central esta ser construída no quadro do Programa de Intervenção Municipal (PIM) e vai garantir corrente eléctrica a 66 mil residentes na vila e arredores e suportar a rede de iluminação pública. O administrador de Quilengues, Salomão Agostinho, informou que a central custa aos cofres do Estado 70 milhões de Kawanzas e as obras começaram no início do mês de Agosto. A conclusão está prevista para o fim de Novembro.
A empresa Elisama, responsável pelas obras, já concluiu a instalação dos 80 novos postos de iluminação pública contemplados no projecto que aguardam apenas pela entra em funcionamento da central térmica.
Salomão Agostinho informou que os antigos postos de iluminação pública estão a ser reaproveitado para os bairros periféricos da vila e em algumas comunas.
Explicou que os consumidores da energia eléctrica proveniente da central térmica são obrigadas a comparticipar mensalmente com um valor simbólico para garantir o funcionamento e manutenção dos geradores.
Para o administrador de Quilengues, a melhoria do abastecimento de energia eléctrica pode servir para atrair pequenas e medias industrias.
 
Tempos livres
         
 Na área do recreio e entretenimento, a Administração Municipal de Quilengues está a reabilitar a antiga piscina, o parque infantil e o espaço onde está um jacaré há mais de 38
A reabilitação contempla igualmente a criação de jardins, vedações, candeeiros para iluminação nocturna, parque de estacionamento para viaturas, lugar para instalação de um restaurante. 
As obras já na fase final, estão a melhorar a imagem da vila. Para a melhoria destes espaços, a Administração Municipal de Quilengues investiu mais de 16 milhões de kwanzas.
 
Agência bancária

           
O processamento de salários via banco e outras transacções bancárias estão mais facilitadas, com a abertura do primeiro balcão do Banco Internacional de Credito (BIC).
O novo balcão é o oitavo na província da Huíla e é a primeira instituição bancária a marcar presença no município depois da Independência Nacional.
O Presidente do Conselho de Administração do BIC, Fernando Teles, disse que com a abertura da agência é possível o processamento de salários e contribuir para o desenvolvimento socio-económico do município. “Quilengues é conhecido como um município agro-pecuário que pode contar com os préstimos do BIC para a concessão de pequenos, médios e grandes créditos aos empresários locais para desenvolverem a sua actividade”, garantiu.
Fernando Teles informou que o BIC tem 3,7 mil milhões de dólares em depósitos, 2, 2 mil milhões de dólares em créditos e está aberto a financiar projectos agrícolas, construção de condomínios, hotéis e outros projectos económicos.
            No acto da inauguração, o vice-governador da Huíla para a área Económica, Pontes Pereira, disse que a abertura do balcão é uma mais valia para o município, na medida em que se situa num ponto estratégico de ligação às províncias de Benguela, Kuanza-Sul e Luanda.

Tempo

Multimédia