Províncias

Recusa de sangue mata parturientes

Arão Martins

Duas mulheres grávidas morreram ao longo do mês em curso, na sala de partos da Maternidade Irene Neto do Lubango, pelo facto dos familiares não terem autorizado as equipas médicas a realizarem transfusões de sangue às parturientes, por motivos religiosos, informou a coordenadora dos programas de cuidados primários de saúde na província da Huíla.

Algumas denominações religiosas contra doação de sangue
Fotografia: Edições Novembro

Regina Maurícia disse ao Jornal de Angola que há muitas pessoas que levam à maternidade pacientes gestantes a necessitar de sangue mas que, por causa da crença religiosa, preferem assinar compromisso de morte.
Explicou que o objectivo da transfusão de sangue, é salvar vidas, “Mas quando vem alguém da família a assumir um termo de responsabilidade, dizendo que não permitem a transfusão de sangue, alegando princípios religiosos, ficamos de mãos atadas.”
Solicitou a quem de direito, no caso o Ministério da Justiça, a prestar atenção especial à situação de não aceitação de transfusão sanguínea por membros da Igreja Testemunhas de Jeová.
Regina Maurícia disse que estão disponíveis bancos de sangue nos municípios do Cuvango, Quipungo, Caluquembe, Matala e Chipindo e na Maternidade Irene Neto, na Pediatria, no Hospital Central Dr. António Agostinho Neto e no Hospital Sanatório.

Tempo

Multimédia