Províncias

Redução da mortalidade entre as prioridades

Arão Martins | Lubango

A redução da mortalidade no Hospital Central do Lubango é uma das prioridades da nova direcção-geral da instituição, chefiada pela médica Francisca de Carvalho.

Direcção do hospital aposta na melhoria de atendimento dos doentes e na motivação dos profissionais para melhorar o seu desempenho
Fotografia: Arão Martins|Lubango

A médica, recentemente empossada pelo governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, disse que a actual direcção prima por um atendimento humanizado de doentes que acorrem à unidade sanitária. A formação e superação contínua dos médicos e outros técnicos de especialidade no exterior e interior do país, a troca de experiências com outras unidades hospitalares são, entre outras acções, prioridades gizadas pela nova direcção do Hospital Dr. António Agostinho Neto.
A directora-geral do Hospital Central do Lubango esclareceu que a melhoria de atendimento aos pacientes e a motivação dos trabalhadores para melhorarem o seu desempenho profissional constam também das prioridades do actual elenco.
“Temos como plano a melhoria do desempenho dos recursos humanos e das condições de trabalho, para se atingir o atendimento humanizado”, revelou. O Hospital presta, entre outros serviços, os de medicina geral, ortopedia, cirurgia pediátrica, neurocirurgia, cardiologia, urologia e nefrologia.
A unidade hospitalar presta ainda serviços na área de estomatologia, dermatologia, cuidados intensivos, anestesiologia, neurologia, análises clínicas, endocrinologia, imagiologia, oftalmologia, anatomia patológica, psicologia clínica, entre outros. O Hospital conta com 951 funcionários, sendo 86 médicos, 394 enfermeiros, 128 técnicos de diagnóstico e terapia, 251 de apoio hospitalar e 32 administrativos.
O incremento do quadro de pessoal com 128 médicos, 86 enfermeiros, 81 administrativos e 261 para apoio hospitalar é outra das prioridades, segundo a directora. A reestruturação do sistema de elevadores e a compra de equipamento específico para a área de imagiologia de alta complexidade constituem também preocupação da nova direcção.
Francisca de Carvalho assegurou que o laboratório de microbiologia, a criação de um auditório, a existência de incineradora para o lixo hospitalar e montagem de um sistema de produção de gases medicinais são igualmente necessários para o funcionamento do Hospital.

Caluquembe reabilitada


O administrador municipal de Caluquembe, José Arão Nataniel, a­nunciou a reabilitação do maior tanque banheiro da manga de vacinação de gado e outras estruturas situadas na localidade de Calonali.
O administrador indicou que os fundos vêm do programa integrado de desenvolvimento rural e de combate à pobreza.
“A recuperação do tanque banheiro e da manga de vacinação foi solicitada pelos criadores de gado bovino e caprino do município de Caluquembe, para facilitar o tratamento dos animais”, referiu Arão Nataniel.
O criador Daniel Dumbo disse que o tanque banheiro de Calonali é uma referência na região e no passado atendia também o gado bovino das povoações de Etete, Caloningui, Betania, Cassapa, Vandongo, Kussuka Lomba Alto e Baixo, Noni, Calepi e Tchienguengue.
A reabilitação do reservatório de água, da balança e manga de vacinação vão contribuir para melhorar a saúde dos animais e o rendimento das famílias, adiantou.
“A manga de vacinação e tanque banheiro da localidade de Calonali é um dos maiores empreendimentos destinados a garantir a sanidade dos animais da região”, afirmou Daniel Dumbo, recordando que fora construído em 1959 e tem capacidade para atender mais de mil cabeças diariamente.
 O seu funcionamento vai permitir a eliminação de doenças como o carbúnculo, a dermatite nodular e a sarna, que têm causado a morte de muitos animais.
António Agostinho, detentor de 200 cabeças de gado bovino na localidade de Kussuka, saudou a iniciativa da administração, sublinhando que a inoperância do tanque banheiro de Calonali tem criado sérias dificuldades no tratamento dos animais.

Tempo

Multimédia