Províncias

Regiões do sul e oeste ligadas por estrada

André Amaro| Lubango

A circulação de pessoas e mercadorias entre os municípios do sul e oeste da província da Huíla vai ficar facilitada com a conclusão, em Setembro, das obras de reabilitação de 37 quilómetros entre o 16 e o desvio da comuna da Palanca, Humpata.

As obras ficam concluídas em Setembro
Fotografia: Jornal de Angola

A circulação de pessoas e mercadorias entre os municípios do sul e oeste da província da Huíla vai ficar facilitada com a conclusão, em Setembro, das obras de reabilitação de 37 quilómetros entre o 16 e o desvio da comuna da Palanca, Humpata.
A empreitada vai permitir a circulação, sobretudo, de camiões provenientes da fronteira sul da Santa Clara em direcção à província do Namibe, sem passar pelo interior da cidade do Lubango, como acontece actualmente.
O director da empreiteira, Paulo Mayer, garantiu existirem condições técnicas e recursos humanos para que a obra fique concluída e seja entregue no decorrer do mês de Setembro.
Para acelerar os trabalhos, a empresa adquiriu uma central moderna de asfalto, central de britadeira e estabeleceu parcerias com algumas empreiteiras locais.
Em termos de execução física, a obra está em 36 por cento e o que falta consiste na recuperação de duas pontes, passagens hidráulicas e colocação do tapete asfáltico. A estrada vai ter nove metros de largura, sete centímetros de asfalto, três pontes e 28 passagens hidráulicas, e está orçada em 32 milhões de dólares.
O director do Instituto Nacional de Estradas de Angola, (INEA) na Huíla, Florêncio Teófilo, manifestou a sua preocupação pelo atraso da empreitada, provocado pelo atraso dos pagamentos e as chuvas que caem.
A empreitada teve início em Abril de 2009, mas devido à crise económica e financeira que também afectou o país, os trabalhos ficaram paralisadas durante algum tempo e retomaram recentemente com o reajustamento dos pagamentos.
Do seu ponto de vista, a estrada km 16/desvio da Palanca tem uma importância fundamental para o desenvolvimento socioeconómico das províncias do Namibe, Huíla, e Cumene. Segundo explicou, os camionistas que vêm da fronteira da Santa Clara, no Cunene, passando pelos municípios dos Gambos e Chibia, na Huíla, deixam de ter de passar pelo centro da cidade do Lubango para alcançar a estrada que dá acesso ao Namibe.
A vantagem é recíproca, uma vez que os produtos vindos da vizinha Namibia vão chegar com facilidade à província do Namibe, e vice-versa, sublinhou o responsável.
Florêncio Teófilo esclareceu que os camiões provenientes da fronteira da Santa Clara em direcção ao Namibe passam a desviar no quilómetro 16, passando pela comuna da Huíla (Lubango), Palanca (Humpata) e apanham a estrada nacional.

Tempo

Multimédia