Províncias

Salários congelados são pagos este mês

Um total de 1.807 professores da província da Huíla, desactivados do Sistema de Gestão Financeira do Estado (SGFE), devido a falhas nos documentos, vão receber os salários congelados ainda durante o mês em curso, anunciou na cidade do Lubango o governador provincial, Marcelino Tyipinge.

Fotografia: Mavitide João|Edições Novembro


Marcelino Tyipinge informou que os professores foram desactivados do sistema em Abril último por terem documentos em falta nos seus processos que estão no Ministério das Finanças. “Neste momento recebemos a notícia de que os documentos que os professores enviaram, depois de congelados os seus salários, já foram devidamente verificados e já está ultrapassado o impasse, pelo que a qualquer momento, ainda este mês, vão receber os ordenados em atraso na totalidade”, garantiu.
Segundo o governador, a administração da província “marcou passos rumo à regularização dos respectivos salários em atraso, estando apenas a concluir alguns actos administrativos para que, dentro de dias, possa incluir todos nas folhas de salários”.
Marcelino Tyipinge disse que existe a possibilidade de haver prova de vida, para apurar se há ou não professores “fantasmas”, entre os 18 mil da província.
Ao fazermos prova de vida  aos professores em actividades na província da Huíla, vamos acabar com todas as incertezas a respeito de eventuais trabalhadores “fantasmas” no sector da Educação, disse o governador.

Tempo

Multimédia