Províncias

Sector do Quê aposta na construção de casas

Arão Martins| Quê

Funcionários públicos e antigos combatentes beneficiam de moradias no quadro do projecto habitacional em curso no país
Fotografia: Arão Martins

O sector do Quê, no município de Chicomba, beneficiou da construção de 20 moradias da tipologia T3 e T2 no quadro do programa de 200 moradias por município, disse ontem o administrador do sector.
  João Castro, disse  ao Jornal de Angola que o sector do Quê, com  55.521 habitantes, foi escolhido recentemente para ascender a   comuna, daí a colocação de vários serviços.
As habitações destinam-se a funcionários públicos,  antigos combatentes, comerciantes e  autoridades tradicionais, explicou João Castro que acrescentou: "Embora a região esteja a registar um certo crescimento, com a colocação de equipamentos sociais e a melhoria da qualidade de vida dos seus habitantes, é necessário que faça uma aposta no incentivo dos quadros, para não que abandonem a localidade.”
João Castro disse que, no quadro do Programa de Investimentos Públicos e de Combate à Pobreza, já entrou em funcionamento o  edifício da administração e foi construídoum centro de saúde de referência.  João Castro referiu que estão  em funcionamento o posto de saúde de Viópio e de Mpulo, onde trabalham seis enfermeiros para cada unidade sanitária.
João Castro avançou que os níveis de crescimento naquela localidade são muito acentuados no sector da Educação, que tem 249 professores, que asseguram as aulas a mais de 10.500 alunos inscritos em 42 escolas do ensino primário ao segundo ciclo do ensino secundário. O processo de alfabetização, disse, também é dinamizado, numa altura em que os adultos estão a aprender a ler e a escrever.
A inauguração do posto policial no sector permitiu conferir maior dignidade aos efectivos da polícia, que aumentaram as suas actividades com vista a manterem a ordem e tranquilidade públicas, disse João Castro. O sector do Quê,   potencialmente agropecuário,     aposta na produção do milho, feijão, massango e massambala, no âmbito das acções de diversificação da economia na região.
 João Castro disse que os apoios que o Governo Provincial da Huíla dá às comunidades   permitem dinamizar   a actividade do campo. O responsável mostrou-se preocupado com estado das três pontes que dão acesso à localidade, principalmente a ponte sobre o rio Quê.
 “A recuperação destes equipamentos devem ser prioridade na comuna, para permitir a circulação segura nos sectores do Viópio e Chicomba Velha.”

Sinais de progresso

A administradora municipal de Chicomba, Lúcia Francisco, disse que actualmente são visíveis os sinais de progresso nas comunas e sectores daquela região da província da Huíla.
“A população do Quê e de outras localidades do município precisavam de escolas, hospitais, centros de saúde, residências para os técnicos e da melhoria de outros serviços, dai a aposta das autoridades na execução de programas para mudarem a situação."
Quanto à melhoria das vias de acesso, Lúcia Francisco explicou que os projectos são diferenciados, existindo programas municipais com o orçamento definido e direccionado e outros projectos de investimentos públicos, que são de nível central e provincial, por exigirem maior capacidade de   solução.

Tempo

Multimédia