Províncias

Semente incorporada no sistema de produção

Arão Martins | Chibia

A inserção da empresa “Jardins da Yoba”, que actua no ramo da agricultura e pecuária, cobrindo os municípios da Chibia e Humpata, na Província da Huíla, no sistema de produção de semente do Ministério da Agricultura, está a permitir incorporar a semente de batata rena no circuito nacional.

Primeiro período de produção de batata rena no município da Chibia teve resultado positivo
Fotografia: Sérgio Dias | Edições Novembro

O director de produção da empresa, João Saraiva, explicou ao Jornal de Angola que a instituição, criada em 2014, no primeiro período de produção de batata rena, produziu a partir dos municípios da Chibia e Humpata, mais de 300 toneladas melhorada, colocado no circuito nacional.
Com 600 hectares, divididos em 400 hectares, no município da Chibia, e 200 hectares, na Humpata,  mais de 400 pessoas foram integradas no processo produtivo de cereais, hortícolas e tubérculos.
João Saraiva referiu que a empresa“Jardins da Yoba” está a incentivar a produção nacional em grande escala: “O primeiro período da produção da batata rena compreendeu a fase de chuva no município da Chibia e constata-se resultados positivos.”
A batata rena produzida nos municípios da Chibia e Humpata, disse, foi entregue pelo Ministério da Agricultura aos produtores das províncias do Uíge, Malanje, Cuanza Sul, Bié e Huíla.
“Estamos a meio do ano e, ao concluir o fim da primeira época, o balanço é positivo, porque alcançaram-se resultados bons na produção de sementes de batata”, disse João Saraiva que acrescentou que na primeira época foram colhidas mais de 300 toneladas de batata, com boa qualidade, face aos testes de qualidade realizados na Holanda.
João Saraiva garantiu que a par da distribuição ao circuito nacional, por meio do Ministério da Agricultura, parte da semente foi igualmente distribuída aos produtores locais. Quer este lote, quer o outro, vendido ao público e entregue nos circuitos de produção do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA), há informação de que estão a dar bons resultados.
Com o melhoramento dos solos, aumentou-se a qualidade e os níveis de produção, numa altura em que se trabalha, por média, acima das 30 toneladas por hectare, explicou João Saraiva, para acrescentar: “Depois de se fazer a correcção dos solos e optimizado os processos produtivos, temos estado  a passar essa experiência aos agricultores, no sentido de se conseguir aumentar a produtividade do país.”
 Depois do êxito da primeira fase, já está em preparação o cultivo da batata rena para a segunda época, que inicia já na segunda-feira próxima, nas três fazendas criadas a nível da Huíla, concluiu João Saraiva. Disse que o arranque da nova época arranca na segunda-feira, mas ainda há alguns constrangimentos, próprios da actual conjuntura que o país está a atravessar no licenciamento das divisas, para a obtenção de recursos para poder recorrer às importações.
João Saraiva considerou que a produção da batata rena é mais forte e perspectiva-se um cultivo, nesta segunda época, em cerca de 50 a 60 hectares, com estimativas de se atingir uma colheita que ronda 800 toneladas.
Embora as sementes de batata sejam obtidas na Holanda, disse que o processo produtivo conta com a participação de técnicos angolanos, formados no Instituto Médio Agrário do Tchivinguiro e nas universidades agrárias localizadas do Huambo e noutras províncias.Na produção do milho, referiu que a instituição conta com a experiência de técnicos da Holanda, principalmente no caso do milho, em que se recorre ao Zimbabwe, Zâmbia, África do sul, e da soja, que se socorre ao Brasil.
Explicou que o “Jardins da Yoba”, sendo uma empresa que desenvolve sementes e não havendo ainda estruturas de melhoramentos no país em criação, a partir das Estações de Investigação Agronómicas, está a recorrer ao acervo genético de alta qualidade noutros países.
João Saraiva avançou que, na fase inicial, começou-se a produção com três pivots, mas actualmente estão instalados oito. Neste momento, estão a ser desmatados, em Chaungo, município da Chibia, uma área vasta para aumentar a produção para 500 hectares.
Neste momento, estão a ser desmatados, em Chaungo, município da Chibia, uma área vasta para aumentar a produção para 500 hectares.

Tempo

Multimédia