Províncias

Serviços de parto na Huíla transferidos em Dezembro

Arão Martins | Lubango

Os serviços prestados no piso térreo da Maternidade do Lubango são transferidos em Dezembro, provisoriamente, para o Hospital Central Dr. Agostinho Neto.

Autoridades continuam a trabalhar para baixar os índices de mortalidade materno-infantil
Fotografia: Arão Martins | Lubango

O director-geral, Flávio Hilário, disse ao Jornal de Angola que os serviços são transferidos por causa das condições em que se encontra o piso térreo da maternidade do Lubango. São transferidos provisoriamente, da área onde funcionava a antiga pediatria, os serviços de banco de urgência, bloco operatório, sala de partos e cuidados intensivos.
“O piso térreo do hospital, no largo Dr. António Agostinho Neto, no coração da cidade do Lubango, é o que apresenta mais problemas, dai a decisão do Ministério da Saúde e do Governo Provincial, em conformidade com a direcção local da saúde, transferir os serviços para uma área com mais segurança”, disse.  A infra-estrutura que vai receber parte dos serviços da maternidade, no Hospital Central do Lubango, tem 20 salas e garante a prestação de serviços de forma segura. 
“Se queremos fazer um atendimento humanizado temos que ter infra-estruturas compatíveis para o efeito”, disse Flávio Hilário, acrescentando que a mudança vai permitir realizar trabalhos de reabilitação em condições.
A mudança vai exigir uma dinâmica forte dos técnicos, pois vão ser geridos serviços prestados em duas infra-estruturas. Vamos reforçar os recursos humanos, pois vão ser geridas duas casas ao mesmo tempo. E pediu às autoridades competentes a aquisição de meios de transportes para o apoio dos técnicos e também ambulâncias.
Flávio Hilário explicou que a média diária é de 50 partos, o que perfaz uma média anual de 22 mil partos. De Janeiro até a última semana de Outubro, a direcção da Maternidade Central do Lubango registou 14.000 partos, com duas cesarianas, disse o director Flávio Hilário.

Tempo

Multimédia