Províncias

Sobas querem reduzir importação de produtos

João Katombela | Lubango

A Associação Angolana das Autoridades Tradicionais, (ASSAT) realizou ontem no Lubango, uma reunião de concertação sob a presidência do soba grande Joaquim Huleipo, onde foram trançadas as estratégias para o reembolso dos créditos agrícolas de campanha.

Camponeses são incentivados a produzir
Fotografia: Arimateia Baptista|Lubango

A Associação Angolana das Autoridades Tradicionais, (ASSAT) realizou ontem no Lubango, uma reunião de concertação sob a presidência do soba grande Joaquim Huleipo, onde foram trançadas as estratégias para o reembolso dos créditos agrícolas de campanha.
O soba grande da Huíla informou que as fracas chuvas registadas durante o ano passado fizeram com que houvesse uma produção abaixo da média o que provocou atrasos no reembolso dos créditos a que alguns camponeses e agricultores tiverem acesso nos bancos BPC, SOL e BCI, no âmbito do programa de combate à pobreza no seio das comunidades.
Joaquim Huleipo disse que para os camponeses honrarem os seus compromissos com os Bancos é necessário acelerar a produção, aproveitando as chuvas que caem com regularidade na a província ou optar pela agricultura alternativa.
“Sabemos que as chuvas condicionaram a produção na província da Huíla e isso fez com os agricultores não cumprissem os seus compromissos com os bancos, que apoiaram na compra de sementes e outros factores de produção. Este ano os sobas devem incentivar os camponeses e agricultores a trabalharem a terra, enquanto a chuva está a cair bem, e quando ela parar devemos cultivar nas margens dos rios” disse Joaquim Huleipo. A diversificação de culturas agrícolas foi defendida pelo soba grande da  Huíla, como principal instrumento para reduzir as importações de alimentos: “a província da Huíla pode dar um grande contributo na produção alimentar, porque possui forte potencial agrário”.
O soba grande disse que “nas nossas comunidades temos de produzir de tudo um pouco e não apenas as culturas tradicionais, como milho, massango, massambala e mandioca, temos que aprender a cultivar também outros produtos para evitar as importações. Se começarmos a cultivar o arroz o nosso país vai deixar de importar esse produto,porque a nossa terra tem condições para o cultivo de cereais”.

Tempo

Multimédia