Províncias

Trabalho agrícola tem menos custos

Estanislau Costa|Lubango

A construção de uma mini-hídrica no Município de Chicomba, 234 quilómetros a norte da cidade do Lubango, vai impulsionar a actividade agropecuária na localidade e reduzir os encargos de energia eléctrica, gerada, actualmente por geradores.

Depois das obras na hídrica e no canal de irrigação os camponeses da região podem produzir de forma ininterrupta
Fotografia: Estanislau Costa|lubango

O lançamento da primeira pedra que simbolizou o começo da empreitada foi feito pelo governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge. Os trabalhos visam melhorar o aproveitamento das águas do rio Cuvunje.
 O Jornal de Angola apurou que as obras são executadas em duas fases. A primeira compreende a construção do corpo da barragem, para a montagem da microturbina, com capacidade para gerar cerca de 350 quilowatts de energia eléctrica, destinada ao abastecimento de vários pontos de Chicomba.
 A segunda fase vai abranger o sistema de retenção de água, canal de irrigação e outras áreas indispensáveis ao regadio dos campos de cultivo da circunscrição. A empreitada, enquadrada no Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e Combate à Pobreza, está orçada em 450.000.000,00 kwanzas.
 O vice-governador para o sector Técnico e Infra-estruturas, Nuno Mahapi Ndala, explicou que a construtora a quem foi adjudicada a obra garantiu empenhar-se com afinco para que nos próximos doze meses seja entregue a primeira fase, que vai dinamizar o desenvolvimento de Chicomba.
 “Estão a ser criadas as condições para que o município tenha pela primeira vez energia eléctrica 24 sobre 24 horas e, consequentemente, deixe de depender muito de combustíveis cuja transportação é onerosa, devido a distância que separa a localidade ao litoral”.  Nuno Mahapi Ndala disse que a produção agrícola em grande escala sem dependência das chuvas vai retomar depois de quatro décadas, na sequência dos trabalhos de limpeza, reabilitação e extensão do canal de irrigação de Chicomba.
 
Triângulo produtor
 
Os municípios de Chicomba, Caluquembe e Caconda há muito que são considerados, por alguns empresários agropecuários da região sul, como “triângulo produtor” de milho, feijão, ervilha e tubérculos.
As colheitas de Chicomba, particularmente, estiveram sempre acima das 35 mil toneladas de vários produtos. O envolvimento de vários camponeses, grandes agricultores e apoios permanentes em sementes diversas, instrumentos de trabalho e fertilizantes contribuem para o aumento da produção.
Dados da Direcção Provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural da Huíla atestam que a organização dos produtores em cooperativas, com o número actual a ascender 1.200 pessoas, permite melhor organização e controlo dos apoios entregues e quantidades colhidas.
Para a colheita já iniciada da campanha agrícola 2015-2016 a previsão é superior à produção do ano passado, devido à regularidade das chuvas  e realização do cultivo em duas épocas. Os resultados positivos alcançados pelo Município de Chicomba têm também a ver com o regresso massivo de um número considerável de famílias às zonas de origem, assim como a desminagem de dezenas de terras aráveis.

 Soba satisfeito

A autoridade tradicional Lote Eduardo, de uma povoação do Cutenda, arredores de Chicomba, enalteceu o programa do Governo da Província da Huíla que está a reconstruir a barragem do rio Cuvunje.  “Pela primeira vez, desde a independência, vamos ter energia eléctrica e um canal remodelado”, disse Lote Eduardo.
A autoridade tradicional a­crescentou  que os camponeses já estão mobilizados a arregaçar as mangas para o cultivo de forma ininterrupta, porque teremos água em quantidade a circular no canal de irrigação.
“Hoje, dependemos muito das chuvas e isto não facilita muito a produção, por causa das estiagens constantes”, afirmou a autoridade tradicional.
Lote Eduardo disse à nossa reportagem que está ansioso pela conclusão total da obra  de requalificação da barragem de Chicomba, porque a circunscrição pode produzir como na época colonial. “Esta localidade já foi um dos maiores celeiros de milho do país”.

Tempo

Multimédia