Províncias

Trânsito interrompido entre Huíla e Namibe

Domingos Mucuta | Lubango

Os automobilistas que circulavam ontem de manhã na via rodoviária entre as cidades do Lubango e Namibe foram surpreendidos pela queda de pedras, lama e arbustos na estrada, que deslizavam da encosta da Serra da Leba. A circulação rodoviária entre as duas cidades está cortada. Nos últimos dias tem chovido torrencialmente na região. A via ficou intransitável ao fim da manhã.                               

Viaturas estão impedidas de passar na Serra da Leba por causa do desmoronamento
Fotografia: Arimateia Baptista| Serra da Leba

A circulação rodoviária entre as cidades do Lubango e Namibe está cortada, desde ontem, em consequência do deslizamento de terras e pedras da encosta da Serra da Leba, provocadas pelas enxurradas. Nos últimos dias tem chovido torrencialmente na região.
Ontem de manhã, os automobilistas que circulavam na via foram surpreendidos pela queda de pedras, lama e arbustos na estrada, que deslizavam da encosta. A via ficou intransitável ao fim da manhã.  A nossa equipa de reportagem foi ao local para verificar os estragos que impediram a circulação automóvel e enfrentou uma espessa cortina de nevoeiro e chuva intensa. A visibilidade era praticamente nula.
O mau estado da via obrigou as autoridades da Huíla e Namibe a proibir a circulação para prevenir acidentes. Os danos causados na estrada pelas derrocadas são avultados e as equipas técnicas têm trabalho para muitos dias.
O Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) da Huíla enviou uma equipa de técnicos e máquinas para remover da via as pedras e toneladas de terra, mas a intensidade das chuvas dificulta os trabalhos. O director província do Instituto Nacional de Estradas de Angola, Florêncio Teófilo, disse que os técnicos estão a remover os escombros mas devido à chuva intensa que continua a cair são obrigados a retirar as máquinas porque correm o risco de ficar soterradas.
“Temos vários pontos críticos ao longo da Serra da Leba provocados pela força das águas que caem das montanhas. Conseguimos remover o entulho em alguns sítios, mas ainda não conseguimos atingir outras áreas e se a chuva continuar a cair, vamos interromper a operação”, disse.
 
Ponte do rio Giraúl
 
Florêncio Teófilo informou que a ponte sobre o rio Giraúl, no Namibe foi arrastada pela força das águas da chuva. O director do Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) na Huíla confirmou o facto através de um telefonema do seu homólogo do Namibe.
“Temos informações do Namibe que a ponte do rio Giraúl não resistiu à força da água e infelizmente cedeu. A queda da ponte vem agravar a situação de circulação de pessoas e bens neste troço”, afirmou o director.
O camionista António Mirrado deixou a sua viatura carregada de toneladas de arroz na estrada e apanhou um táxi  para a Humpata. “A estrada está fechada. Não é possível passar com carros pequenos muito menos com camiões.
 Preferi deixar o camião até que a situação seja favorável para continuar a viagem”, declarou.
O motorista Marcos Silva, que transportava granito para o porto do Namibe, lamentou os estragos da chuva que provocaram o encerramento de uma via que facilita o escoamento de minério. Estão no local efectivos da Unidade de Viação e Trânsito, Bombeiros e Protecção Civil para prevenir e orientar as pessoas que pretendem passar o fim-de-semana nas praias do Namibe.

Tempo

Multimédia