Províncias

Universitários da Huíla e de Luanda falam em programa de desenvolvimento

Arão Martins | Lubango

Estudantes universitários da Huíla foram, na sexta-feira, exortados a procurarem a excelência para contribuírem, com sabedoria, nos programas que pretendem desenvolver o país.

Estudantes querem em desenvolver acções
Fotografia: Arão Martins | Lubango

Estudantes universitários da Huíla foram, na sexta-feira, exortados a procurarem a excelência para contribuírem, com sabedoria, nos programas que pretendem desenvolver o país.
A exortação foi feita por Belarmino Van-Dúnem, professor universitário, quando dissertava sobre “causas e consequências das actuais crises sociais e políticas no Norte de África”, na palestra realizada no Instituto Superior Politécnico Independente (ISPI) do Lubango, que juntou estudantes e docentes das províncias da Huíla e de Luanda.
O orador lembrou que o Executivo está a desenvolver acções, com o objectivo de criar o bem-estar das populações, construindo estradas, escolas, hospitais, infra-estruturas de apoio à agricultura e sistemas de distribuição de água e de energia eléctrica. Os estudantes, disse, têm que fazer a sua parte, procurando a excelência com dedicação e motivação para no futuro saberem ser e saberem fazer.
Muitos jovens estudantes, por causa das dificuldades em obter uma casa, declarou, ficam frustrados e deixam de estudar, o que não é bom para o país e para eles próprios. Belarmino Van-Dúnem disse ser preciso não desanimar, pois o importante é persistir nos estudos, já que o Executivo criou o programa “Angola Jovem” para proporcionar o acesso a uma casa.
Milhares de quilómetros de estradas, afirmou, estão reabilitados e asfaltados, o que facilita a união das famílias
O Executivo está a reabilitar os caminhos-de-ferro de Benguela, de Luanda e de Moçamedes e muitos troços já estão operacionais, referiu, acentuando:
 “Tudo isso, para funcionar precisa de quadros capacitados e se o jovem deixar de estudar não pode assegurar o funcionamento desse importante sector económico”.
O Governo, insistiu, também construiu e reabilitou várias infra-estruturas escolares e hospitalares, que precisam, igualmente, de mão-de-obra qualificada.
O Executivo, concluiu, está a apetrechar escolas e hospitais com equipamentos de alta tecnologia, que requerem mão-de-obra qualificada que exige recrutamento de quadros qualificados.

Tempo

Multimédia