Províncias

Vacina contra a newcastle fabricada a partir de Julho

André Amaro | Lubango

O Laboratório Regional de Veterinária, na Huíla, começa, em Julho, a produzir doses de vacinas contra a doença de newcastle, principal causadora da morte de galinhas em Angola, anunciou, na terça-feira, uma fonte do sector.

Embaixador da UE (à esquerda)
Fotografia: Arimateia Baptista | Lubango

O Laboratório Regional de Veterinária, na Huíla, começa, em Julho, a produzir doses de vacinas contra a doença de newcastle, principal causadora da morte de galinhas em Angola, anunciou, na terça-feira, uma fonte do sector.
O laboratório, com capacidade de produzir 250 mil dozes de vacina por ano, conta com financiamento da União Europeia.
 O director-geral dos Serviços de Veterinária em Angola, que fez a revelação à margem de uma visita do embaixador da União Europeia, Javier Puyol, à província, disse que estão criadas as condições, em termos de equipamentos, pessoal treinado, reagentes e outros elementos, para o laboratório começar a funcionar no decorrer de Julho.
António José afirmou que anualmente milhares de aves, sobretudo galinhas, são vítimas da newcastle, doença que já se tornou endémica a nível nacional.
 Numa primeira fase, o laboratório vai apenas dedicar-se ao fabrico de vacinas contra a newcastle, disse, garantido que nos próximos anos vai ser experimentada a produção de outros tipos de vacinas para animais.
A responsável do projecto declarou que os técnicos que vão trabalhar no laboratório já estão preparados, os novos equipamentos montados e que há regentes para o início da produção.
Marisa Ventura sublinhou que o projecto conta com a colaboração de técnicos de laboratórios de países europeus com experiência no ramo de produção de vacina animal e de veterinária.
As vacinas, disse, têm características específicas, pelo que a sua conservação dispensa redes de frio, permitindo que possam ser manuseadas facilmente.
 As vacinas, revelou, passam a estar disponíveis nas administrações municipais e comunais e nas farmácias veterinárias, que vão ser criadas nas comunidades rurais.

Tempo

Multimédia