Províncias

Valas de drenagem danificadas na Huíla

Arão Martins | Lubango

O vice-governador da Huíla, Nuno Mahapi Ndala, denunciou ontem a existência de vendedores ilegais que estão a alterar os perfis das obras em curso no bairro João de Almeida, arredores da cidade do Lubango.

Vendedoras sensibilizadas a cuidar dos bens públicos
Fotografia: Obras na Via | Edições Novembro

Os vendedores, disse, estão a fazer dos passeios as suas bancadas de venda, mesmo sem a conclusão dos perfis definidos na execução das obras.

Informou que, no quadro das Obras das Infra-estruturas Integradas do Lubango, já decorrem trabalhos nas vias de acesso à zona periférica, como acontece com o bairro João de Almeida, cuja estrada vai ligar à zona da Mitcha.
“Temos uma obra iniciada, mas assiste-se e acompanha-se a acção dos vendedores a efectuarem os seus serviços numa obra que não está concluída. Isto é uma grande preocupação, porque altera o perfil traçado”, referiu.
Nuno Ndala disse que decorre a fase de criação de condições de circulação adequada nos bairros periféricos, daí a visita do governador provincial da Huíla, Luís Nunes, às obras do bairro João de Almeida, cujo troço vai ligar com a estrada da Mitcha e facilitar a mobilidade.
“Decorrem obras profundas na cidade do Lubango. Os trabalhos devem contar com a ajuda da sociedade e particularmente dos jornalistas, que devem transmitir mensagens de sensibilização, da população no sentido de se evitar a vandalização dos bens públicos”, defendeu.
Disse que o nível de destruição dos passeios e das valas de drenagem preocupam, porque inviabilizam o trabalho com rigor que se pretende. “À medida que se assenta os cubos, os vendedores passam por cima, criando irregularidade na perfeição do trabalho, que no final das contas vai ficar como se fosse mal feito. Devemos todos colaborar para inverter a situação”, defendeu o vice-governador da Huíla.
Segundo o vice-governador, "apesar de estar a chover com regularidade no Lubango as obras continuam e à medida em que os troços são terminados são abertos ao público”.
O governador provincial da Huíla, Luís Nunes, que visitou as obras em curso, sensibilizou os vendedores a dirigirem-se aos locais previamente pré-estabelecidos pelo Governo, para o exercício da sua actividade.

Tempo

Multimédia