Províncias

Várias famílias são realojadas nas províncias

João Constantino | Cuito

A Organização Não-Governamental angolana Associação de Desenvolvimento e Enquadramento Social das Populações Vulneráveis (ADESPOV), realojou 24 mil famílias vulneráveis nas províncias do Bié, Huíla e Huambo, entre 2000 e 2004, segundo o director executivo, Julião Agostinho.

A Organização Não-Governamental angolana Associação de Desenvolvimento e Enquadramento Social das Populações Vulneráveis (ADESPOV), realojou 24 mil famílias vulneráveis nas províncias do Bié, Huíla e Huambo, entre 2000 e 2004, segundo o director executivo, Julião Agostinho.
O responsável da ADESPOV disse ainda que, de 2005 a 2012, a organização filantrópica assistiu 15.500 famílias, das quais três mil beneficiaram do programa de segurança alimentar.
“Até agora investimos mais de três milhões de dólares na execução dos programas, dinheiro vindo dos nossos parceiros, como a União Europeia, FAO, Cooperação Espanhola, Visão Mundial, Oxfan, Banco Mundial, PAM e Unicef”, disse.


Saneamento básico


Julião Agostinho acrescentou que a meta da ADESPOV, até 2014, é levar água e saneamento básico a 460 mil pessoas dos municípios da Caála, Longonjo e Tchinjenje, na província do Huambo.
O director executivo afirmou que vai começar em breve a construção de oito escolas agrícolas, para ajudar os camponeses na agricultura de subsistência.
Quanto ao programa de luta contra a malária, a ADESPOV pretende distribuir mais de mil mosquiteiros impregnados nas áreas rurais e fazer trabalho de sensibilização contra a doença.  

Tempo

Multimédia