Províncias

Impostas restrições na travessia da ponte

Nicolau Vasco

Está interdita a circulação de viaturas com peso superior a 16 toneladas na ponte sobre o rio Cubango, por esta apresentar fissuras nos pilares que a sustentam, com sapatas danificadas e desajustes nas junções.

Fotografia: Jaimagens | Edições Novembro

Reinaugurada em Setembro de 2002, a  estrutura construída na entrada da sede comunal de Caiundo, a 135 quilómetros da cidade de Menongue, é a única opção para o acesso à toda a região sul da província do Cuando Cubango, incluindo os municípios de Cuangar, Calai, e Dirico, na fronteira com a  Namíbia.
A passagem de um camião com mercadorias, de uma margem para outra, durava cerca de uma hora. Antes da reconstrução da ponte em  2002, a população atravessava o rio por meio de jangadas. A ponte, que mede 150 metros de comprimento e 4,5 metros de largura, apresenta também desgaste acentuado do seu tapete asfáltico.
Os madeireiros que operam na região ignoram a medida tomada pelo Governo Provincial do Cuando Cubango, tendo em conta que os mesmos continuam a circular sobre a ponte com camiões carregados de madeira, cujas cargas ficam acima de 40 toneladas, colocando em risco a vida dos automobilistas e seus ajudantes.
O administrador comunal adjunto, Jonas da Conceição, afirmou que a medida anunciada no dia 1 de Dezembro, durante um encontro dos membros do Governo local com os responsáveis dos órgãos de defesa e segurança, autoridades tradicionais e madeireiros,  não está a ser acatada. Jonas da Conceição explicou que a administração comunal de Caiundo, na qualidade de primeiro fiscal, propôs outra medida ao Governo Provincial do Cuando Cubango no sentido de quem for apanhado a circular com mercadorias acima do estipulado lhe ser aplicada uma multa que pode variar entre 300 a 500 mil kwanzas.
Jonas da Conceição solicitou às autoridades competentes  a instalação de uma balança numa das extremidades da referida ponte, com objectivo de haver maior rigor no controlo do peso das mercadorias, enquanto se aguarda pela reparação ou construção de uma nova  estrutura sobre rio o Cubango.
Jonas da Conceição disse que a ponte, além de estar velha é muito pequena e possui apenas uma faixa de rodagem. António Miguel trabalha como motorista numa empresa de exploração de madeira e disse ao Jornal de Angola que sente uma pequena vibração quando passa pela ponte e por isso participou já a ocorrência ao seu patrão, de nacionalidade chinesa, que não lhe quer dar ouvidos.

Tempo

Multimédia