Províncias

Instituto Nacional de Desminagem destrói explosivos no Kwanza-Sul

Victor Pedro | Sumbe

Mais de mil engenhos explosivos de diversos calibres foram destruídos, sexta-feira, na localidade de Cangongolo, comuna da Gangula, situada a dezassete quilómetros a norte do Sumbe (Kwanza-Sul), pelo Instituto Nacional de Desminagem (INAD).

Os sapadores dão prioridade à desminagem de estradas e campos agrícolas
Fotografia: JA

Mais de mil engenhos explosivos de diversos calibres foram destruídos, sexta-feira, na localidade de Cangongolo, comuna da Gangula, situada a dezassete quilómetros a norte do Sumbe (Kwanza-Sul), pelo Instituto Nacional de Desminagem (INAD).
Entre os engenhos detonados constam minas anti-pessoal, anti-tanque, morteiros e granadas.
Segundo o chefe de Departamento provincial do INAD, Joaquim Pina Antunes, os meios bélicos foram recolhidos pela Polícia Nacional no município do Amboim (Gabela), pela brigada do Instituto Nacional de Desminagem, no centro de instrução militar Kapango, e outros na área onde se está a implantar o projecto de algodão.
No total efectuou-se a desminagem de uma superfície de 125 mil metros quadrados.
Joaquim Pina Antunes disse que o INAD tem homens angolanos bem formados que utilizam técnicas mecânicas e manuais no processo de desminagem.
De acordo com o responsável do INAD, todas as zonas virgens são suspeitas e, antes de se realizar qualquer actividade, os referidos locais devem ser vistoriados para se evitar acidentes mortais.
O responsável fez saber que o INAD perspectiva realizar acções de desminagem em áreas consideradas reservas fundiárias do Estado, em campos agrícolas e zonas residenciais, nos municípios da Kibala e Cela (Waco-Kungo).
O oficial de campo da Comissão Nacional Inter-Sectorial de Desminagem e Assistência Humanitária (CNIDAH) no Kwanza-Sul, Jorge Pombo, sublinhou que a destruição dos referidos meios bélicos é o resultado das acções que o Governo angolano está a cumprir, de acordo com o tratado de OTAW.
Jorge Pombo disse que o processo de desminagem no Kwanza-Sul é assegurado pelo INAD, pois as outras operadoras que actuavam nos  municípios da Cela e Kibala encerraram os seus projectos alegando a falta de apoios financeiros.
O chefe da comissão garantiu que a província do Kwanza-Sul beneficiou recentemente de um financiamento da comunidade Europeia de dois milhões de euros, que vão ajudar a melhorar as condições de trabalho.
No ano anterior foram destruídos cerca de mil engenhos, 64 minas anti-pessoal e 85 munições de diversos calibres.

Tempo

Multimédia