Províncias

Intensificadas as acções de combate ao VIH/Sida

O abandono pelas grávidas seropositivas do tratamento de corte vertical de transmissão de VIH/Sida, que permite às mães afectadas darem à luz bebés saudáveis, está a preocupar as autoridades sanitárias da província de Cabinda, afirmou na segunda-feira a responsável pela saúde pública e controlo de endemias na província.

Carlota Tati revelou à Angop que, das 518 mulheres grávidas testadas positivamente em 2013, só 216 receberam o tratamento de corte de transmissão vertical.
A responsável, que falava no acto de abertura do Plano de Aceleração da Resposta do VIH/Sida até 2015, referiu que o número de mulheres que aderiu ao plano corresponde a 42 por cento de cobertura da pandemia na região.
Em relação aos cuidados pré-natais, o programa tem uma cobertura de 81 por cento, com a previsão de aumentar mais 19 por cento este ano. “A nossa meta é aumentar a cobertura de 50 por cento de testagem na criança e 70 nos adultos em acompanhamento”, salientou.

Tempo

Multimédia