Províncias

Kamanongue rumo ao desenvolvimento

Samuel António | Luena

O administrador municipal de Kamanongue, Artur Lemos Sapalo, aponta a construção de mais escolas, postos médicos e a diversificação da agricultura, como os principais  alvos, rumo ao desenvolvimento sustentável que se pretende alcançar na região.

No município são visíveis várias obras de impacto social ligadas a sectores como os da Saúde e da Educação
Fotografia: Daniel Benjamim

 

Artur Lemos Sapalo disse ao Jornal de Angola que, com a descentralização financeira, a administração local tem implementado projectos que visam melhorar a vida da população. “A construção de infra-estruturas na sede do município evidencia que o tempo perdido durante a guerra em breve será recuperado”, disse.
A nova sede municipal, edificada no âmbito do Programa de Investimentos Públicos (PIP), concedeu maior seriedade ao aparelho local do Estado, bem como o surgimento de novos espaços, melhorando o atendimento à população.

Fundo de Gestão Municipal

“Kamanongue é um dos municípios que se tem destacado na melhoria das condições de vida da população, com a construção e a recuperação de infra-estruturas degradadas durante o conflito armado”, disse o administrador.
Num passado recente, acrescentou, o município, apesar de estar localizado na estrada nacional que liga as províncias da Lunda-Sul, Norte e a capital do país, não tinha nenhuma infra-estrutura que dignificasse a imagem da sede municipal. Hoje, o número de obras cresce a cada dia que passa.
Lemos Sapalo, garantiu que  o Fundo de Gestão Municipal permitiu a construção de casas para professores e a reposição de quatro pontes, que estão a facilitar a comunicação com outras localidades.
O administrador disse também que “com a disponibilização de meios financeiros, pretendemos, em primeiro plano, trabalhar no aumento de mais escolas, centros de saúde, melhoramento do sistema de abastecimento de água e de energia eléctrica e apoiar os camponeses organizados, para o fomento da agricultura na região.”
A nossa reportagem constatou que a rede de distribuição de energia e água funciona com regularidade na vila e nos bairros periféricos.

Autoridades tradicionais

Para conferir maior dignidade às autoridades tradicionais, foram construídas residências para os sobas de maior notabilidade na circunscrição.
Kamanongue é um município potencialmente agrícola. Os seus solos são favoráveis para todo o tipo de cultura, segundo o administrador.
O município foi contemplado com dois tractores, mas a falta das alfaias tem inviabilizado o fomento da agricultura mecanizada.

Novas Infra-estruturas

Das infra-estruturas criadas no quadro do Programa de Melhoria e Aumento da Oferta de Serviços Sociais Básicos à População, destacam-se 12 escolas, 23 postos médicos e centros de saúde, sistemas de captação e distribuição de água potável, através da edificação de sete chafarizes na vila e nos bairros periférico e ainda a construção de um jardim infantil.
O número de escolas e de unidades hospitalares que o município apresenta, ainda não satisfazem, tendo em conta o crescimento da população nestes últimos anos, diz Artur Sapalo.
Para atender a população, o município dispõe apenas de dois médicos de nacionalidade coreana, nas especialidades de medicina, cifra que o administrador considera insuficiente para atender uma população estimada em mais de 50 mil habitantes.
O município necessita de uma ambulância para a evacuação de pacientes e de médicos das especialidades de obstetrícia e pediatria.
Kamanongue, localizado numa via que dá acesso à cidade do Luena, necessita também de serviços de hotelaria e similares. O município não possui nenhum posto de abastecimento de combustível, apesar do elevado número de viaturas a circular na região.
Artur Lemos Sapalo apela aos empresários e agentes económicos, no sentido de investirem naquela comunidade.
Kamanongue, um dos nove municípios da província do Moxico e dista 52 quilómetros a Norte da cidade do Luena. A sua população é estimada em cerca de 50 mil habitantes, sendo a agricultura a sua principal actividade.

Tempo

Multimédia