Províncias

Água do Rio Luahuca provoca irritações

Weza Pascoal | Menongue

Pelo menos 15 pessoas, entre adultos e crianças, receberam tratamento no Hospital Central de Menongue, em consequência de irritações da pele provocadas pela utilização da água do Rio Luahuca, que circunda os bairros Pandera, Saúde, Tomás e São José, arredores de Menongue.

Centenas de pessoas utilizam o rio para tomar banho e outros afazeres domésticos
Fotografia: Nicolau Vasco|Menongue

O chefe de secção dos cuidados primários de saúde, Daniel Nazaré, disse ao Jornal de Angola que as pessoas afectadas pelas águas do Rio Luahuca apresentam sintomas de irritação da pele em quase todo o corpo. Na região friccionada rebentam borbulhas, que dão lugar a pequenos ferimentos e provocam febre alta, desconhecendo-se até agora as verdadeiras causas da doença.
Daniel Nazaré referiu  que este rio, por ser de pequenas dimensões, tem as suas águas muito poluídas, porque todos os dias centenas de pessoas que vivem em redor tomam banho, lavam a roupa, a loiça, entre outros afazeres domésticos. Há até pessoas que defecam no interior da pequena vegetação à volta rio e, nesta época de chuvas, toda a imundície é arrastada para o pequeno caudal.
Os cuidados primários de saúde, em colaboração com especialistas do Hospital Central de Menongue, recolheram amostras de sangue das pessoas afectadas e da água do Rio Luahuca, que foram enviadas para Luanda, onde estão a ser analisadas, esperando-se, nos próximos dias, os resultados.
Na sua opinião, a  infecção tem origem em fungos que contaminaram por completo a água, razão pela qual se intensificaram as campanhas de sensibilização, para explicar às diferentes comunidades dos bairros que vivem ao longo do rio a importância da água, os riscos da sua contaminação e consequências.
Daniel Nazaré referiu que a Administração Municipal está a trabalhar em coordenação com os técnicos de saúde e os sobas das respectivas áreas para aconselhar a população a usar o cloro distribuído pela direcção de Saúde Pública para desinfectar a água. A população também é aconselhada a ferver a água ou a pôr cinco gotas de lixívia em cada litro. A nível da província, o departamento provincial de Saúde Pública tem vários programas em curso, designadamente o de promoção da saúde, que consiste em sensibilizar a população, porta a porta, para a importância do saneamento básico do meio, a não cultivar milho em redor das casas e cortar o capim nos quintais, que, no período das chuvas, se transformam em lugares apropriados à multiplicação de mosquitos.
Também existem programas de combate às grandes endemias, tuberculose, HIV/Sida, malária e má nutrição, vacinação, distribuição de mosquiteiros tratados com insecticida de longa duração, para se evitar o contágio das doenças nas comunidades.

Tempo

Multimédia