Províncias

Brigadas de agentes sanitários reforçam combate à malária

Lourenço Bule| Menongue

Um total de 150 agentes de desenvolvimento comunitário e sanitário dos municípios do Cuito Cuanavale, Cuangar, Calai, Dirico e Rivungo, na província do Cuando Cubango, frequentam desde ontem um curso de prevenção, tratamento e combate à malária.

Novos técnicos vão atender os habitantes dos municípios onde a assitência médica e medicamentosa ainda é precária
Fotografia: Nicolau Vasco | Menongue | Edições Novembro

Suportado financeiramente pelo Executivo An-golano, através do Fundo de Apoio Social (FAS) e a ONG norte-americana World Vision, o curso, que terá a duração de 15 dias , está a ser ministrado por especialistas do Ministério da Saúde.
Esta acção formativa visa reforçar as acções do Governo na prevenção e combate à malária nas comunidades, pelo que os participantes, depois de concluírem o curso, são enquadrados em brigadas que vão trabalhar nas lo-calidades, no sistema de porta-a-porta.
O director do FAS no Cuando Cubango, Luís Faria, disse ao Jornal de Angola que os municípios de onde saíram os formandos terão uma equi-pa constituída por 30 agentes que vai trabalhar para a sensibilização, prevenção e combate à malária. Luís Faria explicou que as regiões da orla fronteiriça do Cuangar, Calai, Dirico e Rivungo tiveram prioridade nesta primeira fase, por não possuírem um sistema de saúde que lhes permite responder com rapidez aos casos graves da doença.
“Deste modo, os populares destas zonas  deixarão de recorrer aos países vizinhos da Zâmbia e Namíbia em busca de assistência médica”.
Em relação ao enquadramento do Cuito Cuanavale na primeira fase da campanha,  Luís Faria disse  que o município foi seleccionado porque a comuna do Lupiri, que faz fronteira  com a província do Moxico, é a região mais pobre do país, onde os habitantes possuem poucos recursos e carecem de tudo um pouco, de acordo com os resultados do Recenseamento Geral da População e Habitação realizado em 2014.

Perfil do município

Luís Faria disse que o FAS está a capacitar  técnicos das administrações municipais da província do Cuando Cubango, para a elaboração dos perfis municipais.
Segundo Luís Faria, o perfil municipal é uma ferramenta de trabalho que os administradores devem utilizar para a identificação dos problemas, causas, consequências e efeitos para elaborar projectos, visando o bem-estar das populações.
O responsável do FAS frisou que o perfil municipal tem  também a finalidade  da criação de uma base de dados dinâmica que facilita  informações actualizadas  sobre as populações.
 “O perfil municipal é um documento importante para qualquer município do país, visto que proporciona inúmeras valências para a melhoria da vida dos munícipes, através do levantamento de dados estatísticos e caracterização de todos os sectores da sociedade,”  disse.

Empreendimentos sociais

Luís Faria revelou que desde 2014 a instituição que dirige construiu e apetrechou no município de Menongue uma escola de seis salas de aula, um posto de saúde, uma residência para professores e os escritórios do FAS na província.
No município do Cuchi, o FAS construiu e apetrechou igualmente duas escolas, sendo uma de seis e outra com quatro salas de aula, duas residências para professores e um posto de saúde na sede municipal. Sem adiantar o valor das referidas obras, disse que estes projectos foram financiados pelo Executivo angolano, em parceria com o Banco Mundial e está a beneficiar mais de quatro mil habitantes.

Tempo

Multimédia