Províncias

Camponeses incentivados a produzir

Cláudia Muhatili e Weza Pascoal | Menongue

O Executivo investiu mais de seis mil milhões de kwanzas para incrementar o Programa de Aquisição de Produtos Agro-pecuários (PAPAGRO), revelou, em Menongue, Kuando-Kubango, o director Nacional de Abastecimento e Distribuição do Ministério do Comércio, Carlos Miranda, durante um seminário de consulta e concertação sobre o comércio rural, dirigido a cerca de 400 camponeses organizados em associações e cooperativas.

Muitos produtos cultivados são apenas de subsistência mas é necessário fazer mais e melhor para aumentar a produção interna
Fotografia: Jornal de Angola

Durante o seminário foram recolhidas contribuições sobre a estratégia nacional do comércio rural e empreendedorismo, e dados esclarecimentos sobre a proposta de estratégia nacional para incrementar o programa.
Os camponeses receberam explicações sobre o plano de acção e respectivos eixos, potencialidades agro-pecuárias, tipologia das infra-estruturas, logística, comercialização, armazenamento, entre outras matérias.
O vice-governador do Kuando-Kubango para o sector Económico, Ernesto Kiteculo, referiu que com o seminário se pretendeu relançar a actividade comercial no meio rural, valorizar a produção local e, fundamentalmente, criar condições para o escoamento dos produtos do campo para a cidade. 
“Hoje, verifica-se que muitos produtos cultivados pelos camponeses, como o milho, massango, massambala e outros, são apenas de subsistência e, por isso, é necessário incentivá-los, para que possam aumentar as suas áreas de cultivo e escoarem a produção do campo para a cidade”, disse. Ernesto Kiteculo sublinhou que o comércio rural em Angola tem jogado um papel preponderante no crescimento da economia do país e na melhoria das condições de vida das populações.

Malária  continua a ceifar vidas

Pelo menos 218 pessoas, entre adultos e crianças, morreram de malária entre Janeiro e Março deste ano, na província do Kuando-Kubango, revelou quinta-feira em Menongue a supervisora provincial do programa de combate à doença.
Juliana Canjuluca disse ao Jornal de Angola que, durante o primeiro trimestre do ano, as autoridades sanitárias diagnosticaram 2.293 novos casos de malária, dos quais 218 mortais. Para prevenir a propagação da doença, o Programa de Combate à Malária distribuiu até ao momento, gratuitamente, 1.185 mosquiteiros a famílias com crianças e grávidas.
A nível da província, o município do Rivungo é apontado pelas entidades sanitárias como o mais afectado, onde desde Janeiro a Março 80 pessoas foram vítimas de malária. 
A responsável da saúde informou que no passado o Programa de Combate à Malária dispunha de um carro de fumigação que cobria a cidade de Menongue e alguns bairros periféricos, mas que se encontra avariado. Sendo um meio importante, a supervisora solicitou ao governo da província a atribuição de outra viatura de todo-o-terreno. O município de Menongue uma brigada de fumigação para a eliminação dos mosquitos nas lagoas e charcos. “Começámos agora a formar uma brigada de luta anti-larval para o município do Rivungo, que é um dos mais afectados pela doença”, anunciou.
A supervisora provincial disse que o Programa de Combate à Malária enfrenta dificuldades no Kuando-Kubango, devido à falta de meios de transporte para atingir as localidades de difícil acesso, com realce para o Rivungo, Mavinga e Nankova.
O programa recebe apoio de médicos cubanos nos municípios de Menongue, Cuangar, Calai, Dirico, Cuito-Cuanavale e Cuchi.
  As unidades sanitárias em toda a província recebem medicamentos e meios de diagnóstico rápido da malária, cedidos pela Direcção Nacional da Saúde.

Tempo

Multimédia