Províncias

camponeses receberam instrumentos de trabalho

Alzira da Silva | Menongue

Famílias de pescadores e camponeses, da comuna do Caiundo (Menongue), e Tandawe (Cuangar), na província do Kuando- Kubango, receberam sexta-feira materiais de pesca e alfaias agrícolas, no âmbito do projecto “Tele-alimento”, com o objectivo de aumentar os níveis de captura de pescado e a produção agrícola.

Camponeses têm recebido muitos apoios para poderem aumentar a produção
Fotografia: Jornal de Angola

Famílias de pescadores e camponeses, da comuna do Caiundo (Menongue), e Tandawe (Cuangar), na província do Kuando- Kubango, receberam sexta-feira materiais de pesca e alfaias agrícolas, no âmbito do projecto “Tele-alimento”, com o objectivo de aumentar os níveis de captura de pescado e a produção agrícola.
 O projecto é financiado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), abrange 150 famílias e está orçado em 28 mil dólares.
 Foram entregues 20 canoas tradicionais, igual número de redes, chum­bos, cortiças flutuantes e cabos de suporte a 50 famílias de pescadores, ao passo que as 100 famílias de agricultores receberam 100 enxadas europeias, igual número de enxadas tradicionais, limas, catanas e 500 quilos de sementes de milho.
 De acordo com António Chipita, executor do projecto, o programa do fundo especial de “Tele-alimento” começou em Abril do ano em curso e termina em Abril de 2011. O projecto de pesca fluvial beneficiou pescadores das localidades do Capico, Caiundo e Tandawe. As comunidades do Cambembe, Regedoria, Chilonga, Liavela e Mucundi receberam apoios para a produção agrícola de hortícolas, cereais e tubérculos.
António Chipita acrescentou que o objectivo do projecto é aproveitar os conhecimentos dos pescadores que já dominam a arte da pesca artesanal, para o aumento da produção pesqueira e providenciar a assistência técnica, de forma a tomarem consciência de que o desenvolvimento sustentável passa por princípios básicos da boa governação e gestão racional dos recursos disponíveis.   “Hoje, as políticas de todos os governos e doadores estão viradas para projectos de desenvolvimento comunitário sustentável, pelo que a tarefa do apoio técnico, formação na gestão dos meios e recursos disponíveis são necessários”, afirmou.
O administrador comunal em exer­cício, Fernando Gonçalves Malungo, agradeceu os apoios e disse que os meios entregues vão servir de fonte de receitas para as associações, que, directa ou indirectamente, beneficiam muitas famílias, tornando-se uma porta aberta para melhorar as condições de vida da população.

Tempo

Multimédia