Províncias

Candidatos à Educação sentem-se injustiçados

Carlos Paulino| Menongue

Um total de 489 candidatos, dos cerca de cinco mil que participaram do último concurso público de ingresso no sector da Educação, para o provimento de igual número de vagas, atribuídas o ano passado, foram admitidos na função pública na província do Cuando Cubango.

Fotografia: Edições Novembro

O director do Gabinete Provincial da Educação, Ciência e Tecnologia, Miguel Kanhime, disse que apesar do sucesso alcançado aquando da realização das provas de admissão, em Novembro passado, centenas de candidatos não admitidos sentem-se injustiçados e prometem levar o assunto junto dos órgãos locais de justiça.

Sobre este assunto, Miguel Kanhime disse não estar preocupado uma vez que todos os concorrentes nestas condições, alguns dos quais com notas positivas muito altas, não foram admitidos, porque os mesmos não reúnem os requisitos necessários em termos de formação pedagógica, nas suas habilitações literárias.
Miguel Kanhime (Kasavubu) referiu que dos mais de cinco mil candidatos que participaram do concurso público foram seleccionados os 489 concorrentes devidamente qualificados para preencher as vagas de que a província foi contemplada para o ingresso de novos professores do ensino primário e secundário, do 13º e 6º grau.
Miguel Kanhime disse que apesar do Ministério da Educação avisar, de antemão, que só estariam habilitados a participar do concurso cidadãos nacionais formados em ciências de educação e ter idade compreendida entre os 18 e 35 anos, a maioria ignorou estes regulamentos e sentiu-se na obrigação de também concorrer, mesmo não tendo os requisitos necessários.
“Os candidatos que estão a reclamar, apesar de obterem uma nota alta no exame de acesso, são aquelas que fizeram a formação do ensino geral ou outros cursos médios ou superiores sem agregação pedagógica, que mesmo tendo 20 valores não podem ser admitidos neste momento no sector da educação”, precisou Miguel Kanhime , acrescentando que dos cinco mil candidatos, mais de dois mil tiveram boas notas no exame de acesso.
Segundo Miguel Kanhime, a prioridade deste concurso público foi para os candidatos que se formaram em ciências de educação, para que o processo de ensino e aprendizagem a nível do país possa conhecer melhorias significativas.
Miguel Kanhime disse que mesmo os 489 concorrentes admitidos ainda podem correr o risco de serem excluídos, caso não apresentem os certificados originais, para servirem de prova das cópias que entregaram no momento das inscrições.“Há candidatos que neste momento não foram admitidos, mesmo com formação de professores, mas que podem ter a sorte de serem enquadrados no sector da educação”.

Tempo

Multimédia