Províncias

Casos de malária tendem a crescer

Weza Pascoal | Menongue

Os casos de morte por malária, na província do Cuando Cubango, estão a registar um aumento nos últimos tempos, devido à falta de fármacos e de mosquiteiros tratados com insecticidas, lamentou domingo o chefe do departamento de saúde pública e controlo de endemias do programa de combate à doença.

Ntima Mandawele revelou que durante o primeiro semestre deste ano foram registados 18.420 casos de malária, que originaram 201 mortes. Ntima sublinhou que comparativamente a igual período do ano anterior, com 40.750 doentes diagnosticados e 170 mortes, houve um aumento de 31 óbitos.
O Programa Nacional de Combate à Malária está a atravessar um grande problema, uma vez que já não conta com o apoio do Fundo Global, que deixou de fazer doações, por causa da crise financeira.
Em função disso, referiu, as autoridades sanitárias da província estão a envidar esforços para controlar a situação, em colaboração com algumas administrações municipais, no quadro do programa dos cuidados primários de saúde, com a aquisição de medicamentos e de materiais de apoio para as brigadas de luta anti-larval e de fumigação.
O chefe de departamento de Saúde Pública e Controlo de Endemias explicou que recentemente a Administração Municipal de Menongue adquiriu equipamentos de fumigação para acabar com a grande quantidade de mosquitos nos bairros. Ntima defendeu o reforço da formação permanente do pessoal da saúde sobre o tratamento da malária, sobretudo na administração correcta dos fármacos.

Tempo

Multimédia