Províncias

Centro ortopédico da cidade de Menongue precisa de material para fabrico de próteses

Carlos Paulino | Menongue

O centro ortopédico de Menongue, no Kuando-Kubango, debate-se com a falta de gesso em pó, fivelas, muletas e aparelhos para o alinhamento do fémur e da tíbia, indispensáveis para o fabrico de próteses.

A verba que a instituição recebe anualmente é insuficiente para fabricar as próteses
Fotografia: Carlos Paulino|Menongue

O centro ortopédico de Menongue, no Kuando-Kubango, debate-se com a falta de gesso em pó, fivelas, muletas e aparelhos para o alinhamento do fémur e da tíbia, indispensáveis para o fabrico de próteses. O chefe de departamento para a área de saúde, Zeca Agostinho, disse ontem, ao Jornal Angola, que o centro ortopédico também não tem equipamentos para os exercícios de fisioterapia, situação que se agravou com a morte do fundador e director da instituição, Padre João Bosco, em Maio do ano passado.
Muitos pacientes, com alguns recursos financeiros, procuram estes serviços nas províncias do Huambo, Luanda ou Huíla, uma vez que, devido à escassez de meios, os técnicos locais se limitam a reparar muletas, segundo o responsável.
Zeca Agostinho solicitou, por isso, ao Executivo, e a outros agentes sociais, o fornecimento dos equipamentos em falta, para que o centro ortopédico volte a produzir próteses, tendo em conta que “o Kuando-Kubango foi seriamente atingido pela guerra e, como consequência, tem um grande número de pessoas que precisam de ser assistidas”. A instituição recebe anualmente cerca de quatro milhões de kwanzas, verba insuficiente para cobrir as despesas correntes e adquirir equipamentos para o funcionamento da fábrica de próteses.
No passado, explicou Zeca Agostinho, o centro ortopédico produzia, em média, 400 próteses por ano, para um universo de 1.280 pacientes, entre mutilados de guerra, deficientes físicos com sequelas de trombose, acidente vascular cerebral (AVC), poliomielite e má formação congénita.
O centro ortopédico, que funciona com 10 técnicos, possui capacidade para internar 34 pacientes.

Tempo

Multimédia