Províncias

Chuvas enlutaram famílias e causaram danos avultados

Nicolau Vasco | Menongue

Uma pessoa morreu e outra ficou gravemente ferida, na sede municipal do Cuchi, em consequência de um raio que atingiu as vítimas durante as chuvas que se abateram sobre àquela localidade com muita intensidade.

Raios provocaram danos graves em quase toda a dimensão da cidade de Menongue e muitas pessoas ficaram sem os seus haveres
Fotografia: Nilo Mateus

Os Serviços de Protecção Civil e Bombeiros informaram que nos últimos dias as chuvas têm vindo a cair com muita violência em quase todo o território da província. Além das mortes no Cuchi, os raios provocaram danos graves em quase toda a dimensão da cidade de Menongue, onde os edifícios públicos e boa parte das residências não foram poupados por não possuírem pára-raios.
Entre os edifícios públicos, o mais afectado foi a emissora da Rádio Nacional de Angola no Cuando Cubango que se viu forçado a encerrar a emissão durante três dias, devido à destruição de três emissores, equipamentos do estúdio e  cinco computadores.
Na Televisão Pública de Angola, as descargas eléctricas destruíram um gerador, cinco monitores de recepção do sinal áudio, instalação eléctrica do edifício, duas UPS do carro satélite, os LNB de transmissão do canal um e dois.
As instalações da Angop ficou sem o sistema de recepção do sinal via satélite. O porta-voz dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiro, Soares Inglês, disse que as chuvas, acompanhadas de ventos fortes, destruiu o tecto do centro pré-universitário de Menongue (PUNIV), da Comissão Municipal Eleitoral de Menongue, do antigo edificio da Justiça e de 58 residências, deixando ao relento cerca de 336 pessoas.
Soares Inglês informou que a chuva provocou ainda danos parciais a uma esquadra da Polícia Nacional, duas escolas do II ciclo, quatro igrejas e dois estabelecimentos comerciais. Também houve a queda de dois postes de electricidade de baixa tensão e a destruição de um posto de saúde.

Ravinas no Cuito Cuanavale

No município do Cuito Cuanavale, as chuvas fizeram renascer o velho problema das ravinas, 11 das quais já começaram   transformar-se em grandes valas, bem como a destruição de 24 casas, e corroeu uma parte da pista do aeroporto, e da sede da administração municipal. O centro  profissional, o comité do MPLA e parte do asfalto da estrada que liga o bairro Samaria ao Tumpo também não foram poupados.
O porta-voz dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros, Soares Inglês, explicou que a  sede do município do Cuito Cuanavale foi construída sobre um terreno arenoso porque, segundo explicou, no período colonial não havia qualquer problema, uma vez que as valas de drenagem funcionavam e evacuavam a água sem qualquer problemas.
Dada a gravidade da situação, uma equipa multissectorial vai deslocar-se ao município do Cuíto Cuanavale, com visa a efectuar um estudo mais pormenorizado das ravinas, para posteriormente levar ao conhecimento das autoridades competentes.

Tempo

Multimédia