Províncias

Cidade de Menongue vai ter mais energia

Carlos Paulino| Menongue

Duas barragens hidroeléctricas nos cursos dos rios Kwebe e Kueley, com capacidade total de dez megawatts de energia para abastecer a capital da província do Kuando-Kubango, vão ser construídas no decorrer deste ano, nos arredores da cidade de Menongue, pela empresa portuguesa de construção civil “Mota Engil”.

Ministério da Energia e Águas tem plano de construção de uma nova central termica
Fotografia: Jornal de Angola

Duas barragens hidroeléctricas nos cursos dos rios Kwebe e Kueley, com capacidade total de dez megawatts de energia para abastecer a capital da província do Kuando-Kubango, vão ser construídas no decorrer deste ano, nos arredores da cidade de Menongue, pela empresa portuguesa de construção civil “Mota Engil”.
Segundo o director provincial da Energia e Águas, Filipe Sabino, já foram efectuados os estudos topográficos, geotécnicos e de impacto ambiental nas áreas de Liapeca e Kueley, onde vão ser construídas as duas barragens, estando agora a empresa contratada na fase de mobilização dos equipamentos para o início dos trabalhos.  
O Ministério de Energia e Águas, disse o responsável, tem igualmente um plano de construção de uma nova central térmica, com uma potência instalada de dois megawatts, na localidade de Macueva, para servir de alternativa à actual infra-estrutura, enquanto se aguarda pela conclusão das obras das duas barragens, que podem levar algum tempo.
Enquanto se espera por estes projectos, o governo do Kuando-Kubango, através do Programa de Investimentos Públicos, vai adquirir três novos grupos geradores, com capacidade instalada de seis megawatts, com o propósito de reforçar a capacidade de produção de energia da actual central térmica de Menongue, que actualmente tem uma potência de apenas dois megawatts.
Filipe Sabino disse que Menongue tem uma população de potenciais consumidores, que ronda os 200 mil habitantes, distribuídos na zona urbana e periferia da cidade. Para satisfazer a demanda, a direcção provincial de Energia e Águas precisa de uma produção mínima diária de dez megawatts.
Lamentou o facto da maior parte dos consumidores se furtar ao pagamento regular das suas contas, situação que tem criado alguns constrangimentos ao sector, no que concerne à aquisição de sobressalentes de reposição e de combustíveis. Por esta razão, disse o director, a energia eléctrica à cidade de Menongue é fornecida apenas no período nocturno, ou seja, das 17 horas até às seis da manhã, devido aos elevados custos de manutenção, gastos com o combustível e para evitar que os dois geradores sejam danificados muito cedo.
Sobre a intenção do Executivo de implementar o projecto de energia renovável, Filipe Sabino disse que é um passo acertado para a província do Kuando-Kubango, sobretudo nos municípios do leste, onde as vias de acesso estão bastante degradadas, tornando-se quase impossível as administrações municipais levarem para lá o combustível para alimentar os pequenos grupos geradores instalados nestes locais.

Tempo

Multimédia