Províncias

Comunidade Khoisan recebe casas

Domingos Mucuta | Caiundo

O soba da minoria étnica Khoisan, Feliciano Cambinda, afirmou no sábado que as casas de construção definitiva erguidas em 2011 pelo governo provincial estão a permitir a fixação dos membros da comunidade na aldeia de Mbundo.

As condições na aldeia estão a atrair os membros dos grupos que se encontram nas matas
Fotografia: Domingos Mucuta|Caiundo

O soba da minoria étnica Khoisan, Feliciano Cambinda, afirmou no sábado que as casas de construção definitiva erguidas em 2011 pelo governo provincial estão a permitir a fixação dos membros da comunidade na aldeia de Mbundo.
Feliciano Cambinda afirmou ao Jornal de Angola que o seu povo deixou a vida nómada, desde que a direcção provincial da Assistência e Reinserção Social (MINIAS) do Kuando-Kubango construiu oito casas do tipo T2 para acolher as primeiras oito famílias e desde aquela data, muitos outros membros abandonaram as matas e com meios próprios ergueram as suas cubatas ao redor da aldeia.
“Antes era comum mover-nos constantemente nas matas sempre que a comunidade notava a escassez de mel, animais e frutos silvestres. Os Khoisan contam com a assistência dos enfermeiros no posto de saúde construído na localidade e as crianças estão inseridas no sistema de ensino”, disse.
A atenção do governo foi enaltecida pela autoridade tradicional ao disponibilizar, com regularidade, bens de primeira necessidade como produtos alimentares, vestuário, alfaias agrícolas e outros meios que permitem o desenvolvimento da actividade produtiva na aldeia de Mbundo, um mecanismo que, segundo o responsável, está a levar mais membros a abandonar a vida nómada. “Era nosso costume andar de região em região à procura de melhores condições de habitabilidade, mas desde que o governo construiu estas casas nas aldeias nunca mais saímos daqui, porque temos recebido apoios para cultivar localmente”, disse.
As condições na aldeia, referiu, estão a atrair os membros dos grupos que estão nas matas para fixar residência na localidade e, por isso, apelou às autoridades governamentais e instituições sociais a continuar a prestar apoio aos habitantes da aldeia de Mbundo e de outras para permitir o crescimento rápido da comunidade em risco de extinção.
Mais de 27 alunos da comunidade Khoisan que se juntaram a 30 outras crianças do povo bantu estão matriculados no ensino primário, numa escola erguida com material local, com o objectivo de promover o ensino inclusivo.
 A construção de casas, inauguradas em Fevereiro do ano passado, cujas obras orçaram em 24 milhões de kwanzas, consta de um programa de âmbito central de integração social, protecção e controlo da comunidade San.

Tempo

Multimédia