Províncias

Desenvolvimento da região depende de bons quadros

Manuel Pascoal | Menongue

O desenvolvimento socioeconómico da província do Kuando-Kubango passa necessariamente pela inclusão de quadros qualificados e preparados para dar resposta aos desafios actuais, defendeu na terça-feira, em Menongue, a vice-governadora para o sector Económico, Verónica Mutango.  

Jovens moldados para enfrentar desafios
Fotografia: Jornal de Angola

O desenvolvimento socioeconómico da província do Kuando-Kubango passa necessariamente pela inclusão de quadros qualificados e preparados para dar resposta aos desafios actuais, defendeu na terça-feira, em Menongue, a vice-governadora para o sector Económico, Verónica Mutango.  
A vice-governadora, que falava à margem do seminário sobre sistema nacional de emprego e formação profissional, disse haver toda a necessidade de primeiro identificar a realidade do mercado de trabalho na região, para que se possa criar políticas de incentivo de novas empresas e proporcionar mais emprego aos seus habitantes.
Segundo a governante, é importante que as qualificações estejam coordenadas com as políticas de educação e formação profissional, de acordo com a realidade socioeconómica da região.
O baixo nível de escolaridade, oportunidades de formação profissional, carência de mão-de-obra qualificada e a falta de instituições públicas que prestem assistência às comunidades, foram apontandos como os principais factores que têm contribuído negativamente para o desenvolvimento da região.
O seminário sobre sistema nacional de emprego e formação profissional contou com a participação de 60 operadores de sistema nacional de emprego, oficial de formação profissional, directores provinciais, representantes das igrejas, ONG e sociedade civil em geral.
Durante a formação, os participantes adquiriram conhecimentos sobre o funcionamento do grupo técnico provincial para a recolha de dados numéricos do mercado de emprego, processo de legalização da actividade de formação profissional e modelo de requerimento para abertura de centros de formação profissional.
Foram igualmente debatidos temas como o mapa de recolha de dados estatísticos dos centros profissionais, paradigma do regulamento interno das unidades formativas e modelo para levantamento de novos perfis formativos.

Tempo

Multimédia