Províncias

Doença estranha no Kuando-Kubango mata centenas de cabeças de gado bovino

Lourenço Manuel e Nicolau Vasco|Menongue

Uma doença desconhecida vitimou, até à presente data, 937 cabeças de gado bovino na comuna do Caiúndo, a 145 quilómetros da cidade de Menongue, segundo o chefe do departamento dos Serviços Veterinários da província do Kuando-Kubango.

Muitos animais foram já afectados
Fotografia: Jornal de Angola

Uma doença desconhecida vitimou, até à presente data, 937 cabeças de gado bovino na comuna do Caiúndo, a 145 quilómetros da cidade de Menongue, segundo o chefe do departamento dos Serviços Veterinários da província do Kuando-Kubango.
Pedro Tibério disse quarta-feira, ao Jornal de Angola, que o número de vítimas mortais pode ser superior ao anunciado, porque muitas aldeias do sul e leste da província do Kuando-Kubango foram atingidas pela doença e ainda não foram visitadas pelos Serviços Veterinários, devido à falta de verbas e de meios de transporte.
O responsável dos Serviços Veterinários realçou que os primeiros sinais da doença começaram a manifestar-se em Novembro do ano transacto, em alguns aglomerados populacionais situados na fronteira entre o Kuando-Kubango e a província do Cunene e, até meados de Janeiro de 2011, a mesma atingiu a sede comunal do Caiúndo.
Segundo Pedro Tibério, os técnicos de veterinária do Kuando-Kubango recolheram amostras de sangue, que já foram enviadas para os laboratórios de Luanda, para se apurar o tipo de doença que está a dizimar o gado bovino.
Questionado sobre os motivos do surto da doença, o responsável dos Serviços Veterinários disse que se deve ao facto de muitos criadores tradicionais de gado residirem em zonas de difícil acesso, onde os especialistas de veterinária do Cunene ou da província do Kuando- Kubango não conseguem chegar e os animais escapam às campanhas de vacinação, que periodicamente são efectuadas.
O chefe de departamento dos Serviços de Veterinária disse que outro factor prende-se com a falta de hábitos de vacinação, o que dificulta o trabalho dos especialistas no tratamento dos animais.
Pedro Tibério revelou que está a decorrer uma campanha intensiva de vacinação de gado na sede comunal do Caiúndo e nos arredores da cidade de Menongue, onde, de um universo de 60 mil cabeças de gado bovino, foram imunizadas apenas 2.500 contra a pleuropneumonia contagiosa, carbúnculo hemático e dermatite nodular. O responsável disse que a província do Kuando-Kubango tem um universo de 200 mil cabeças de gado bovino, cuja maioria não está vacinada, porque o sector dispõe apenas de três médicos veterinários, sete técnicos médios e quatro viaturas em estado obsoleto e sem capacidade de atingir as zonas de difícil acesso.

Proibido consumo de carne bovina

A direcção provincial da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas, através de uma circular assinada pelo seu titular, Francisco Manuel Mateus, proibiu temporariamente o consumo de carne bovina e o movimento de animais vivos em toda a extensão da província do Kuando-Kubango, até à resolução do problema.
A nota refere que a medida surge porque algumas pessoas estão a comercializar carne em diversos pontos da província, apesar de terem conhecimento da morte massiva de animais, assolados por uma doença ainda não diagnosticada.
A medida proíbe igualmente os administradores municipais e comunais de emitirem guias de trânsito de animais. As autoridades devem também exigir aos criadores a vacinação dos animais.
As autoridades policiais deverão colaborar com os serviços de fiscalização do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF), no sentido de se manter o controlo da situação, principalmente nas vias de acesso entre as diferentes localidades, enquanto se mantiver o problema, lê-se no documento

Tempo

Multimédia