Províncias

Elefantes e hipopótamos devoram culturas

MANUEL PASCOAL | Menongue

Ao todo, 4.451 famílias da comuna do Mucusso, município do Dirico, província do Kuando-Kubango, estão a sofrer de penúria alimentar, devido a uma invasão de elefantes e hipopótamos às suas culturas.

Vice-governador visitou a localidade
Fotografia: Nicolau Vasco |Menongue

 

Ao todo, 4.451 famílias da comuna do Mucusso, município do Dirico, província do Kuando-Kubango, estão a sofrer de penúria alimentar, devido a uma invasão de elefantes e hipopótamos às suas culturas.
Esta realidade foi revelada na quarta-feira, em Menongue, pelo administrador comunal do Mucusso, Manuel Mora Jamba, durante um encontro entre membros do governo da província e as autoridades tradicionais da referida localidade.
Dadas as dificuldades alimentares que a população enfrenta, o administrador comunal solicitou ao governo local e aos seus parceiros sociais que apoiem os habitantes do Mucusso, uma povoação que depende fundamentalmente da agricultura para a sobrevivência das famílias.
A falta de escolas, unidades sanitárias e estabelecimentos comerciais foi igualmente apontada como a principal dificuldade que a localidade enfrenta para conseguir o bem-estar dos seus habitantes. Por causa disso, muitos chegam a abandonar a região em busca destes serviços nas repúblicas da Zâmbia, Namíbia e Botswana, disse o responsável.
O soba da comuna do Mucusso, Silas Ndjengua, pediu ao governo da província para criar condições que permitam o registo civil da população, visto existirem na comuna muitas crianças e adultos que não têm cédulas pessoais nem bilhetes de identidade, e para desenvolver acções que garantam a inserção dos antigos combatentes no fundo de pensões.

Governo vai travar animais 

O vice-governador do Kuando-Kubango para a área social, José Maria dos Santos, garantiu que o executivo local está a envidar esforços com vista a encontrar as melhores estratégias, em parceria com o Governo namibiano, para o controlo dos animais que estão constantemente a estragar as culturas.
O governante disse que, além destas acções, o executivo está envolvido na melhoria das condições sociais das populações da região, com a construção de habitações, escolas, hospitais, e implementa o registo gratuito e a inserção dos antigos combatentes no fundo de pensões. O Estado angolano, sob orientação do Presidente da República, José Eduardo dos Santos, está preocupado com as situações que ainda afligem as populações, razão pela qual recupera as estradas e pontes, de modo a facilitar a livre circulação de pessoas e mercadorias, elementos fundamentais para o desenvolvimento do país, disse o vice-governador. José Maria dos Santos disse ainda que as autoridades tradicionais devem continuar a ser consideradas parceiras sociais do governo.
O Mucusso tem uma população calculada em quatro mil habitantes, que se dedicam à agricultura e à pesca.

Tempo

Multimédia