Províncias

Extensão territorial da região exige o aumento de quadros

Carlos Paulino | Menongue

O vice-governador do Cuando Cubango para o sector económico, Ernesto Kiteculo, afirmou ontem, em Menongue, que a província, pela sua dimensão, ainda tem falta de muitos quadros qualificados de nível médio e superior, para impulsionar o seu desenvolvimento social e económico.

Vice-governador para o sector económico
Fotografia: Carlos Paulino

Ernesto Kiteculo, que falava na abertura de um colóquio sobre o Plano Nacional de Formação de Quadros, promovido pelo Instituto do Fomento Empresarial (IFE), disse que as empresas locais são jovens e com um fraco desenvolvimento de capital humano.
“Necessitamos de acções de formação tecnológica, a nível médio e superior, em consonância real com os objectivos e prioridades do crescimento e desenvolvimento da província e do país em geral”, defendeu o vice-governador.
“O centro das nossas atenções, como Governo, e do Ministério da Economia, que tutela o Instituto do Fomento Empresarial, é a formação de empresas nacionais fortes, quadros técnicos, médios e superiores com competências comprovadas, para vermos surgir grandes grupos empresariais e grandes empresas”, frisou.
Ernesto Kiteculo agradeceu a iniciativa do Instituto do Fomento Empresarial (IFE) em promover este colóquio sobre modalidades de participação do sector empresarial na aplicação do Plano Nacional de Formação de Quadros, que vai contribuir para impulsionar este sector na região.
O vice-governador considerou os objectivos do colóquio bem delineados no diagnóstico das soluções mais adequadas às necessidades de desenvolvimento de recursos humanos das empresas angolanas, no âmbito do Plano Nacional de Formação de Quadros, no qual aparece o IFE como aliado de empresas e grupos empresariais, em interacção e proximidade, para ajudar a crescer, introduzir ideias inovadoras no fomento empresarial e contribuir de igual modo para o aumento da competitividade na província do Cuando Cubango.

Tempo

Multimédia