Províncias

Fazendas pecuárias com gado para abate

Lourenço Bule | Menongue

Um projecto de expansão rural englobando 40 fazendas, de cinco mil hectares cada, está a ser implementado no município do Cuchi, na província do Cuando Cubango, num investimento de 800 milhões de dólares.

Proprietários da empresa ''Costa e Negócios'' com o governador provincial Pedro Mutinde
Fotografia: Nicolau Vasco | Menongue

O director-geral da empresa “Costa e Negócios”, Mário Costa, que prestou a informação à imprensa no final de um encontro com o governador provincial, Pedro Mutindi, garantiu que o projecto vai proporcionar cerca de cinco mil empregos directos, tendo como prioridade os desmobilizados das Forças Armadas.  O número de postos de trabalho pode duplicar nos próximos cinco anos, quando o empreendimento tiver 200 mil cabeças de gado bovino e suíno para abate.
Na audiência com o governador, foram analisadas as modalidades de gestão das fazendas, volume de negócios e os múltiplos benefícios que podem proporcionar à população angolana. Mário Costa disse que uma equipa técnica da empresa já seleccionou perto de 200 mil hectares de terra arável e de pasto no Cuchi, para a instalação das fazendas e a plantação de milhares de eucaliptos para a produção de madeira e carvão destinado à indústria de extracção de ferro na comuna do Cutato. O empresário disse que a produção agro-pecuária e a exploração de ferro são um projecto integrado que está a ser executado pelo Governo angolano, em parceria com as empresas brasileiras Costa e Negócios, Modulax e a LM-Grupo 
Neste momento, disse, decorrem os trabalhos de desbravamento da área destinada às fazendas, ao passo que o projecto de exploração de ferro está mais avançado, estando previsto para breve o início da montagem dos altos-fornos.
 
Energia renovável


O director-geral da Modulax, Geraldo Basques, realçou que Angola será o segundo país, depois do Brasil, a produzir aço a partir de uma fonte de energia renovável. Para o efeito, eucaliptos provenientes do Brasil estão a ser plantados numa área de 60 mil hectares, para posteriormente serem clonados.
O empresário brasileiro sublinhou que o Cuando Cubango vai registar um enorme crescimento económico, quando as fazendas e a indústria de transformação do ferro estiverem a funcionar em pleno, com benefícios para o Governo e a população da província.

Tempo

Multimédia