Províncias

Formação profissional garantida a mulheres

Weza Pascoal

A vice-governadora do Cuando Cubango para o sector Político, Económico e Social, Sara Luísa Mateus, anunciou para breve o arranque de um ciclo de formação e capacitação dirigido a todas as mulheres interessadas em frequentar cursos de Empreendedorismo, Pastelaria, Culinária e Costura, entre outros, que têm a finalidade de garantir mais postos de trabalho e o sustento das famílias.

Vista parcial de Menongue onde arranca dentro de dias um ciclo formativo para mulheres
Fotografia: DR

Segundo a vice-governadora, na província do Cuando Cubango a maior parte das mulheres assume-se como chefes de família, razão pela qual no programa de desenvolvimento da província e de combate à fome e à pobreza o governo local reservou uma rubrica específica para financiar cursos. Sem avançar o montante destinado à referida rubrica, disse que no final de cada formação o governo vai entregar kits profissionais aos formandos, para que consigam montar o seu próprio negócio e dar sustento aos seus filhos.
Apelou a todas as mulheres da província para apostarem cada vez mais na formação académica, técnica e profissional, no sentido de se criar condições propícias para o combate à fome e à pobreza, ao analfabetismo e garantir o desenvolvimento socioeconómico do país.
 “Só com a formação académica, técnica e profissional seremos capazes de corresponder com os desafios que se impõem, pois estaremos em condições de ombrear de igual para igual com os homens e trabalhar com o mesmo rigor para o desenvolvimento económico do país”, salientou. Enalteceu o empenho de todas as mulheres que, com  dedicação, sentido de missão e responsabilidade, têm sido as fiéis transmissoras dos valores, do amor ao próximo, solidariedade e respeito, afirmando que a beleza de uma mulher está no seu carácter  e na generosidade do seu coração.
A vice-governadora do Cuando Cubango apelou às mulheres de todos os estratos sociais, independentemente da sua cor, raça ou etnia, a continuar a lutar pela sua emancipação, buscando lugares de destaque e de decisão, a nível das sociedades em que estiverem inseridas, para que as diferenças laborais e salariais com o género oposto sejam ultrapassadas.
A directora do Gabinete Provincial da Acção Social, Família e Igualdade do Género, Isabel Ferro, disse que a mulher angolana tem contribuído consideravelmente para a aprovação de várias políticas em torno da família, na sua promoção e desenvolvimento.

Tempo

Multimédia