Províncias

Fraca adesão às campanhas de vacinação de animais

Weza Pascoal| Menongue

O director do Instituto dos Serviços Veterinários no Cuando Cubango, João Tchamba, manifestou-se preocupado com a fraca adesão de criadores de animais às campanhas de vacinação realizadas anualmente a nível da região.

Em Abril próximo as autoridades locais pretendem vacinar milhares de cabeças de gado e outros animais contra a raiva e doenças bovinas
Fotografia: Weza Pascoal| Menongue

Muitos proprietários não levam os animais para serem imunizados contra a raiva, dermatite nodular, carbúnculo sintomático, peripneumonia contagiosa, por acharem que a vacina mata e não previne doenças, uma situação preocupante.
Em função da pouca adesão, na última campanha de vacinação realizada recentemente, apenas metade das 60 mil cabeças de gado previstas foram imunizadas, enquanto só um universo de 524 cães, gatos e macacos ficaram abrangidos na mesma actividade.
Apesar da pouca adesão, as autoridades conseguiram atingir todos os municípios, salientou João Tchamba, para adiantar que o município do Calai, que faz fronteira com a Namíbia, foi o mais destacado e vacinou mais de dez mil cabeças.
Ao contrário desta localidade, no município de Nancova nenhum animal foi vacinado, uma vez que os criadores se desinteressaram em aderir ao programa de vacinação do gado e de cães, gatos e macacos.
A província do Cuando Cubango dispõe de quatro mangas de vacinação e igual número de tanques banheiros, construídos na comuna do Caiundo, nos municípios do Cuchi e de Cuangar, localidades que registam um número elevado de bovinos.

Vacinação de animais

O director provincial do Instituto dos Serviços Veterinários anunciou que este ano a instituição prevê vacinar, a partir do próximo mês de Abril, outras 60 mil cabeças de gado e animais de estimação contra a raiva e doenças bovinas. A falta de transporte, pouca adesão da população às campanhas de vacinação e o difícil acesso às zonas mais recônditas da província constituem as principais dificuldades que a Direcção enfrenta.
João Tchamba apelou aos criadores a aderirem em massa às campanhas de vacinação, para prevenirem os animais de doenças, que são igualmente prejudiciais às pessoas consumidoras de carne. Pelo menos 185 casos de mordeduras por cães vadios foram registados durante o ano transacto, no município de Menongue, no Cuando Cubango, o que representa uma diminuição de 159 notificações em relação ao período anterior, revelou o director do Instituto dos Serviços Veterinários.
João Tchamba disse que os casos de mordeduras que não resultaram em mortes baixaram em consequência do trabalho que os técnicos veterinários têm estado a realizar na imunização dos animais contra doenças que afectam os cães, gatos e macacos. A nível do município de Menongue ainda se regista um elevado número de casos de mordeduras por cães vadios, dada a inexistência de um canil-gatil, para facilitar o abate dos animais, sem donos identificados, que circulam por toda a cidade.
Dada a carência deste estabelecimento, o director provincial do Instituto dos Serviços Veterináriossolicitou ao Governo do Cuando Cubango para a construção urgente de um canil-gatil, com vista a albergar os animais que andam dispersos a nível da região.
O director do Instituto dos Serviços Veterinários disse que, para o pleno funcionamento da instituição, que conta apenas com 25 técnicos, são necessários 48 profissionais para cobrir toda a extensão do Cuando Cubango.

Médicos veterinários

A perspectiva é colocar pelo menos um médico veterinário em cada município, numa altura em que a província conta apenas com quatro especialistas, estando três a trabalhar em Menongue e um no posto transfronteiriço do Catuitui (Cuangar).
Os municípios de Mavinga, Dirico, Calai, Nancova, Cuchi e Rivungo são assegurados por técnicos médios e básicos, enquanto o Cuito Cuanavale não dispõe deste serviço.
A falta de técnicos, meios de transporte, fraca adesão dos criadores de animais nas campanhas de vacinação e falta de uma clínica veterinária são as principais dificuldades que a instituição enfrenta.

Tempo

Multimédia