Províncias

Governo apoia vacinação de gado

Nicolau Vasco e Cláudia Muhatili | Menongue

O governador do Kuando-Kubango, Higino Carneiro, procedeu na quarta-feira, na localidade de São José, arredores da cidade de Menongue, à abertura oficial da campanha de vacinação de 425 mil cabeças de gado bovino e de sete mil animais de estimação, que vai decorrer de 17 de Abril a 31 de Agosto, em toda a extensão da província.

Os técnicos dos Serviços Veterinários com o apoio do governo local pretendem vacinar mais de metade dos animais existentes da província
Fotografia: Jornal de Angola

Para o efeito estão já disponíveis 38 mil doses de vacinas, das 130 mil previstas para vacinar a população bovina contra o carbúnculo sintomático e hemático, dermatite nodular e febre aftosa. No referido recinto foi também instalado um tanque banheiro, para matar as carraças.
Na presente campanha, o instituto provincial de saúde veterinária recebeu também 5.800 doses de vacina anti-rábica, das 7.500 inicialmente previstas para imunizar cães, macacos e gatos contra a raiva.
O director provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Manuel Alexandre, disse que para a referida operação têm apenas disponíveis sete técnicos e uma viatura, situação que pode comprometer o cumprimento dos prazos estabelecidos, porque a maior parte dos criadores de gado, sobretudo na parte sul da província, residem em zonas de difícil acesso. O Governo pretende vacinar mais de metade dos animais existentes na província, para os criadores preservarem as suas manadas com saúde e os estimular a porem o gado no mercado. 
A primeira feira do gado vai decorrer em Junho, na localidade de Catuitui, no município do Cuangar, e vai contar com a participação de criadores da Namíbia, Botswana, Cunene, Huíla e do Kuando-Kubango.  Esta campanha vai também permitir ao Governo Provincial conhecer o número exacto de cabeças de gado bovino, embora as estimativas apontem para a existência de mais de um milhão de animais. “É evidente que a qualidade de animais que temos não é má, é gentia, mas é necessário que o Executivo desenvolva políticas para a saúde dos animais, porque nem todos os criadores têm recursos para o fazer, e permitir que o mercado seja abastecido com carne saudável”, disse.

Tempo

Multimédia