Províncias

Governo Provincial cobra taxas aos vendedores dos mercados

Nicolau Vasco | Menongue

A Administração Municipal de Menongue vai utilizar, por orientação do Governo da província, o dinheiro cobrado aos cerca de três mil vendedores dos mercados informais dos bairro Paz e Chivonde para recolher os amontoados de lixo ao redor destas localidades e garantir mais higiene aos produtos ali comercializados.

O vice-governador provincial do Cuando Cubango para o sector económico, Ernesto Kiteculo, que falava ontem no final de uma jornada de campo, disse que enquanto não existirem verbas específicas para a recolha do lixo não se pode assistir, de forma impávida,  o lixo a tomar conta dos mercados. Por esta razão, acrescentou, as pequenas contribuições que os vendedores pagam diariamente, 50 Kwanzas cada um, devem servir para manter limpos estes lugares.
O vice-governador do Cuando Cubango, que visitou vários bairros na periferia de Menongue, deixou igualmente instruções para que as próximas campanhas voluntárias, que normalmente têm lugar no final de semana, sejam direccionadas às localidades que apresentam muito lixo.
No final da visita, Ernesto Kiteculo realizou, à porta-fechada, uma reunião técnica com os membros da delegação que o acompanhou, com os quais analisou ao pormenor vários assuntos, entre eles meios técnicos necessários para a limpeza da cidade de Menongue e arredores.
A saída do encontro, o vice-governador provincial disse que os grandes aglomerados de lixo dos bairros Paz, 4 de Abril, Tchivonde, Cunha e Castilho ultrapassam de longe as capacidades técnicas das operadoras de recolha de resíduos sólidos, pelo que é necessário o envolvimento da sociedade  para remover o lixo e se evitarem doenças.

Participação da sociedade

Ernesto Kiteculo fez um apelo às Forças Armadas, Polícia Nacional, autoridades tradicionais e outras forças vivas da sociedade para contribuírem no desmantelamento destes grandes focos de lixo da cidade de Menongue.
O governdor provincial mostrou-se preocupado com o comportamento dos moradores do bairro Cunha que estão a depositar lixo na linha férrea, uma situação que coloca em risco centenas de vidas humanas, que diariamente utilizam o comboio como meio de transporte nas suas deslocações do Namibe para Menongue e vice-versa. Ernesto Kiteculo orientou a Administração de Menongue a estender também a acção de limpeza na linha férrea.

Tempo

Multimédia