Províncias

Hospital Geral prevê produzir gases medicinais

Lourenço Bule | Menongue

O novo Hospital Provincial do Cuando Cubango, localizado na cidade de Menongue, vai produzir mais de 16 metros cúbicos de oxigénio por hora, informou, no domingo, o director de obras da   infra-estrutura sanitária.

Governador provincial do Cuando Cubango (ao centro) visitou as obras do novo hospital que se encontram em fase conclusiva
Fotografia: Nicolau Vasco

José Brandão avançou estes dados no final de uma visita de constatação às obras do Hospital Geral do Cuando Cubango, efectuada pelo governador provincial, Pedro Mutindi, acompanhado pelos vice-governadores para o sector técnico e infra-estruturas, Joaquim Maliche, e para a área política e social, Pedro Camelo, bem como membros do governo local.
A nova unidade hospitalar vai produzir oxigénio, não só para consumo interno mas  para venda a outras unidades sanitárias do país, informou José Brandão, que acrescentou: “No caso específico do Hospital Geral do Cuando Cubango foi construída uma linha directa de abastecimento do gás medicinal, em todos os compartimentos da  infra-estrutura”.
 A entrada em funcionamento da unidade de produção de oxigénio permite à direcção do Hospital Geral deixar de se deslocar a outros pontos do país à procura do produto e fazer com que o Cuando Cubango se torne auto-suficiente, explicou.

Serviços médicos

José Brandão explicou que o Hospital Geral do Cuando Cubango, com capacidade para internar 200 pacientes, está a ser construído numa área de 14 mil metros quadrados e as obras estão orçadas em mais de 60 milhões de dólares. Conta  com sete blocos operatórios, uma casa de máquinas para a produção de gases medicinais e serviços de imagiologia.
A  infra-estrutura  tem  laboratórios, 15 camas de observação, uma morgue com 14 gavetas, dois fornos para incineração de lixo hospitalar, um grupo gerador com capacidade de 1.250 KVA, um refeitório, área administrativa, Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), sala de tratamento de água potável, uma depuradora de águas residuais e 24 casas do tipo T3 para os médicos.
O hospital presta serviços de medicina geral, pediatria, estomatologia, obstetrícia, otorrinolaringologia, oftalmologia, cirurgia reconstrutiva, hemoterapia, cardiologia, dermatologia, fisioterapia, nutrição, urologia, neurocirurgia, psicologia, ginecologia-obstetrícia e anestesia.
O tempo de garantia da referida infra-estrutura é de trinta anos e  o nível de execução está na ordem dos 95 por cento, informou José Brandão. 
 
Benefícios para a população


O vice-governador provincial para o sector técnico e infra-estruturas, Joaquim Malichi, disse que o Hospital Geral do Cuando Cubango é o primeiro do género na província e pela sua magnitude e oferta de serviços médicos  garante à população mais saúde e diminui  o índice de mortalidade hospitalar.
Os habitantes da província tendem a deslocar-se para outras regiões do país e para a Namíbia à procura de assistência médica , visto que o actual hospital provincial se encontra  em estado avançado de degradação, disse Joaquim Malichi, que acrescentou:
“A avaliação que faço desta imponente obra, lançada há dois anos, sob orientação do Presidente da República,  é bastante positiva, visto que o Cuando Cubango há mais de 40 anos  vive grandes dificuldades no sector da Saúde”.

Tempo

Multimédia