Províncias

INAC forma activistas comunitários da região

Manuel Pascoal | Menongue

Um total de 60 activistas comunitários da região sudeste de Angola participa, desde ontem, na cidade de Menongue, província do Kuando-Kubango, numa formação sobre a rede de protecção e promoção dos direitos da criança.

Um total de 60 activistas comunitários da região sudeste de Angola participa, desde ontem, na cidade de Menongue, província do Kuando-Kubango, numa formação sobre a rede de protecção e promoção dos direitos da criança.
Realizada pelo Instituto Nacional da Criança (INAC), a acção formativa, com duração de dois dias, vai abordar igualmente o papel deste instituto na protecção, garantia e salvaguarda dos direitos dos menores, bem como a análise dos direitos da criança.
A directora provincial do INAC, Aida Rosalina Pedro Manuel, referiu que os programas de apoio à causa das crianças, como mola impulsionadora do futuro da nação, têm vindo a alcançar os efeitos desejados, principalmente no campo da exploração de menores nas várias vertentes.
Realçou que, actualmente, a região regista uma diminuição paulatina de casos de utilização de menores em serviços reservados a adultos, graças aos esforços alcançados no cumprimento dos 11 compromissos pelo Executivo.
Por esta razão, a directora provincial do INAC disse ser importante a capacitação dos seus executores para facilitar o contacto junto das comunidades rurais onde, muitas vezes, os direitos das crianças são ignorados.
O vice-governador do Kuando-Kubango, Pedro Camelo, realçou igualmente a importância do evento, garantindo um apoio total e incondicional do governo local para que as crianças da província cresçam num ambiente saudável, harmonioso e tenham direito à educação, assistência médica gratuita e bem-estar social.
Pedro Camelo referiu que as crianças desfavorecidas, vítimas de maus-tratos, abuso sexual e as portadoras de deficiências foram eleitas como alvos preferenciais do Executivo, com vista a enquadrá-las no seio familiar.
A Polícia Nacional, Forças Armadas Angolana (FAA), meios de comunicação social, autoridades religiosas e tradicionais, Organização dos Pioneiro Angolano (OPA), entre outras instituições, integram a Rede de Promoção dos Direitos da Criança para proteger os amis pequenos de certos abusos.

Tempo

Multimédia