Províncias

INADEC atento aos preços especulativos

Carlos Paulino | Menongue

Os comerciantes não podem praticar preços especulativos sob pena de pagarem multas avultadas e de verem os estabelecimentos encerrados, afirmou ao Jornal de Angola o director do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC) no Cuando Cubango.

Comerciantes são aconselhados a evitar a especulação e a venda de bens deteriorados
Fotografia: Carlos Paulino

Manuel Mateus disse que os comerciantes não podem querer aproveitam a quadra festiva para aumentar os preços, vender produtos deteriorados e recusarem moedas da nova família do kwanza. O INADEC, em coordenação com as Direcções Provinciais do Comércio e da Polícia Económica, declarou, começou em Outubro uma série de acções junto dos estabelecimentos comerciais destinados a lembrar que venda de produtos em estado de deterioração e preços acima do que está estipulado constituem crime.Desde Janeiro, revelou, o INADEC detectou no Cuando Cubango 15 comerciantes que tinham à venda produtos alimentares deteriorados.
Manuel Mateus lamentou que o INADEC tenha naquela província apenas com cinco técnicos, “um número bastante irrisório para cobrir os nove municípios”, razão pela qual a actividade está confinada a Menongue. O INADEC, disse, precisa no mínimo de mais cinco técnicos para poder “cobrir sobretudo os municípios do Cuangar, Calai, Dirico e Rivungo”, que fazem fronteira com a Namíbia e Zâmbia, de onde diariamente entram e saem vários produtos, sem o necessário controlo .

Tempo

Multimédia